Facebook pode lançar programa de monetização de conteúdo original

Por Redação | 19.04.2016 às 16:31

Tudo indica que o Facebook considera adicionar à rede social uma maneira de permitir que pessoas comuns deem dinheiro a páginas e perfis que seguem dentro da plataforma. A possibilidade da adição de um sistema de monetização veio à tona por meio de uma pesquisa realizada com usuários durante esta semana, informou o The Verge.

A ideia está inserida dentro de um possível esforço do Facebook para tornar a rede mais rentável para os produtores de conteúdo. Assim, além de gorjetas recebidas de seus leitores, páginas e perfis poderiam aumentar a arrecadação por meio de conteúdos patrocinados ou de parte da receita com publicidade do próprio Facebook.

Segundo a publicação, a pesquisa queria descobrir o interesse dos usuários em um botão “chamar a ação”, que seria usado para que seguidores patrocinem perfis e páginas dentro da rede. Além disso, uma “loja de patrocínios” também facilitaria este tipo de negociação, porém com intermédio de anunciantes convencionais.

Caso se concretize, a novidade seria a primeira ação do Facebook para permitir que usuários individuais monetizem as suas postagens dentro da rede social. Até então, as únicas formas de fazer isso são por meio de publicidade dos Instant Articles (disponível de maneira restrita e apenas para páginas de produtores de conteúdo) ou então com compartilhamento de postagens patrocinadas por meio de contas verificadas.

Acirrando a concorrência

A ideia de permitir a monetização de conteúdo próprio pode ser uma grande saída para o Facebook, especialmente para concorrer com serviços como o AdWords e AdSense, do Google. Atualmente, sites, blogs e canais do YouTube conseguem monetizar as suas postagens por meio destas ferramentas (além de outras oferecidas por outras empresas), mas isso pode mudar em breve.

Cada vez mais, o Facebook se destaca como um agregador de serviços de internet, com funções para blog, fotolog, vlog e até mesmo a publicação profissional para empresas de comunicação. Em suma, garantindo a chance de monetização para cada vez mais gente, a empresa de Zuckerberg pode finalmente apresentar um concorrente a altura para o Google.

Fonte: The Verge