Facebook permite filtrar usuários por cor ou raça para direcionar anúncios

Por Redação | 28 de Outubro de 2016 às 20h32
tarsila do amaral
Tudo sobre

Facebook

Operários, de Tarsila do Amaral

O Facebook está oferecendo um recurso que causou estranheza e incômodo para muita gente. A rede social permite que anunciantes limitem o tipo de audiência para suas propagandas com base em requisitos bastante característicos de um grupo de pessoas, como "afinidade étnica". Mas, espera aí... a rede social não prega tanto a igualdade quanto apóia a multiculturalidade humana? A questão gerou confusão entre usuários e a política da plataforma de Mark Zuckerberg.

Desde que parou de perguntar aos usuários sua etnia para completar o perfil, a rede social coleta dados sobre atividades desempenhadas pelas pessoas e correlaciona isso com suas origens e costumes. Isso funciona para que o Facebook gere algoritmos direcionados, dependendo daquilo que ele acredita ser característico de certo grupo de indivíduos.

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

No evento South by Southwest deste ano, um executivo de entretenimento do Facebook e o VP de marketing digital da Universal Pictures apresentaram um painel explicando como o estúdio se aproveita do recurso "afinidade étnica" da rede social para direcionar trailers diferentes do filme Straight Outta Compton para os usuários com base em sua cor ou raça.

O exemplo dado foi de um grupo de pessoas classificadas pelo Facebook como "não-multiculturais" (ou seja, não-negros americanos, não-latinos). Assim, o estúdio conseguiu direcionar imagens dos personagens do filme portando armas, dirigindo carros roubados e desafiando a polícia. Já o trailer exibido para latinos e afro-americanos parecia ser de um longa completamente diferente, trazendo recordações acerca do impacto social de cada raça.

Todos sabemos que a publicidade segmentada não é algo novo e nem extraordinário. O que causou o alvoroço é que o Facebook auxilia a fazer isso pela exclusão de alguns grupos, o que pode causar uma grande dor de cabeça para Mark Zuckerberg em termos legais. Aliás, mais confuso ainda é o Facebook proibir o uso de suas ferramentas de segmentação de anúncios pelo fato disso "discriminar, assediar, provocar ou menosprezar usuários".

Mas a rede social tenta clarear as coisas. Em um post no blog oficial da rede, Christian Martinez, chefe de multiculturalidade da empresa, afirmou que o Facebook proíbe a tal "exclusão negativa", o que se aplicaria a anunciantes que preferem tal cor da pele ou determinada orientação sexual do público. Ele explica que "isso evita que as minorias assistam a propagandas direcionadas a um grupo maior de indivíduos, e ajuda a evitar ofensas que as propagandas tradicionais muitas vezes causam para essas pessoas".

A rede social também afirma que seu filtro de "afinidade étnica" ajudou a direcionar conteúdo para a comunidade latina dos EUA durante a Copa do Mundo de 2014. Da mesma maneira, as empresas poderiam usar o recurso para direcionar produtos de beleza para os negros americanos ou marcas de cervejas mexicanas para os latinos, por exemplo, como já acontece na indústria e na publicidade.

"Todas as marcas têm suas estratégias definidas para se comunicar com diferentes públicos, levando conteúdo culturalmente relevante", afirma o Facebook em um post. Ele dá um exemplo para ilustrar a ideia: uma fabricante de carros decide fazer propaganda sobre um de seus veículos, mas quer que o público-alvo seja latino. Para isso, ela resolve gravar as falas do comercial em espanhol. A postagem explica que todo anunciante faz isso, porque o público responde melhor quando vê um anúncio diferenciado, especificamente voltado para suas origens e cultura.

E você, o que acha dessa história? Conte para nós nos comentários!

Via Engadget, Facebook Blog

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.