Siga o @canaltech no instagram

Facebook não vai censurar todos os vídeos ao vivo de violência

Por Redação | 11 de Julho de 2016 às 12h55
Divulgação
Tudo sobre

Facebook

Saiba tudo sobre Facebook

Ver mais

Após uma americana transmitir em tempo real no Facebook seu namorado ser morto por um policial nos Estados Unidos, a rede social divulgou uma nota para esclarecer como lida com as políticas de exibição de vídeos ao vivo. De acordo com a empresa, os usuários não serão censurados na hora de fazer streaming de conteúdos violentos, mas sob algumas circunstâncias.

Em comunicado oficial publicado na última sexta-feira (8), a companhia de Mark Zuckerberg disse que entende que liberar uma ferramenta de transmissão ao vivo é um desafio único, e que as regras para esse tipo de ferramenta são as mesmas presentes no chamado "Padrões de Comunidade" - conjunto de diretrizes daquilo que pode ser compartilhado no site e o que pode ser denunciado e removido. Esse tópicos são semelhantes às regras adotadas por outros serviços, como o Reddit e o Periscope.

Segundo essa seção, o Facebook, após receber uma denúncia, pode remover o conteúdo, desabilitar contas e reportar autoridades locais se acreditar "que há um risco real de danos físicos ou ameaça direta à segurança pública". A empresa ainda destaca que os internautas são livres para postar suas opiniões, mas que, "para equilibrar as necessidades, a segurança e os interesses de uma comunidade diversificada, temos que remover determinados tipos de conteúdos controversos ou limitar o publico que os visualiza".

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Com base nesses e outros termos, a rede social afirmou que não vai limitar os vídeos do Facebook Live, desde que eles estejam encaixados nesse segmento. Além disso, a companhia alerta que acrescenta avisos a vídeos muito explícitos depois que eles foram gravados - como no caso da transmissão de Reynolds - e pode restringi-los a adultos.

"Em determinadas situações, contexto e bom senso são tudo. Por exemplo, se uma pessoa testemunhar um tiroteio e usar o Facebook Live para ampliar a conscientização ou encontrar o atirador, nós permitiremos. No entanto, se alguém compartilhou o mesmo vídeo para zombar da vítima ou celebrar o tiroteo, nós vamos remover aquele conteúdo", destacou a entidade.

"Nós temos uma equipe pronta 24 horas por dia, sete dias por semana, dedicada a responder denúncias imediatamente. (...) O vídeo ao vivo no Facebook é um formato novo e em crescimento. Aprendemos muito nos últimos meses, e vamos continuar a realizar melhorias para a experiência da maneira que pudermos", completou.

O caso fez que o Facebook se manifestar

Na última quarta-feira (6), Diamond Reynolds utilizou o recurso de vídeos ao vivo da rede social para filmar o assassinato de seu namorado, Philando Castela, de 32 anos. Ele foi baleado por um policial em Minnesota, nos Estados Unidos. O vídeo, que teve mais de 1,7 milhão de visualizações, foi removido da plataforma no dia seguinte (7) - segundo o Facebook, devido a "problemas técnicos".

Castela, que é negro, trabalhava como funcionário de um refeitório escolar e teve seu veículo parado durante uma blitz na cidade de Falcon Heights. Segundo o depoimento de Reynolds no vídeo, seu namorado foi baleado quatro vezes pelo policial. Na mesma semana, em Dallas, no Texas, um atirador matou cinco policiais e feriu outros onze durante um protesto contra a morte de negros americanos.

Fonte: Facebook via PC World

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.