Facebook lança projeto de internet sem fio barata na Índia

Por Redação | 05.05.2017 às 10:50

O Facebook anunciou nesta semana o lançamento de um projeto que pretende levar internet rápida e barata à população carente da Índia. O Express Wi-Fi é mais uma etapa do Internet.org, iniciativa da rede social voltada para fomentar o acesso à rede em áreas carentes, e vai oferecer passes de acesso diários e pacotes fechados tanto para usuários finais quanto empreendedores.

Com valores de até ₹ 20 para acesso diário (cerca de R$ 1) e ₹ 300 por um mês (cerca de R$ 15), o serviço vai funcionar a partir de 700 hotspots instalados em quatro estados da Índia. A conexão será oferecida por empresas locais de telecomunicações, enquanto pontos turísticos, grandes estabelecimentos e locais de grande circulação de pessoas estão entre os espaços onde antenas foram instaladas, também por meio de parcerias com governos e a iniciativa privada.

Os vouchers serão vendidos tanto online quanto em lojas físicas. Ao acessar a rede sem fio, o usuário deverá inserir um código que liberará o acesso pelo tempo adquirido, permitindo a utilização livre da internet. Até mesmo sites de streaming e download poderão ser utilizados – e o Facebook, inclusive, incentiva esse tipo de utilização, citando o Express Wi-Fi também como um complemento às redes móveis já utilizadas no país.

De acordo com os dados oficiais, apenas 390 milhões de pessoas têm acesso à internet na Índia, muito pouco diante de uma população de 1,3 bilhão de habitantes. Com o projeto, a rede social pretende entregar conexão não apenas em grandes zonas urbanas, mas também a 700 vilas localizadas em locais remotos, integrando os moradores desses locais à internet.

A iniciativa, claro, também incentiva os usuários a utilizarem o Facebook. A Índia, hoje, é o mercado com maior crescimento para a rede social, com 184 milhões de usuários, sendo que metade destes usam a plataforma todos os dias. Já o WhatsApp está instalado nos smartphones de 200 milhões de indianos.

Apesar desse incentivo, a empresa não oferece nenhum tipo de gratuidade ou benefício relacionado a seus próprios serviços. Isso serve como uma maneira de estar em acordo com as autoridades locais que, no ano passado, chegaram a vetar a utilização do Free Basics no país devido a questões relacionadas à falta de neutralidade.

A iniciativa oferece um pacote de sites e serviços online em versões básicas, que podem ser acessadas gratuitamente por meio de parcerias com empresas de telefonia. A Índia, ao lado de Nigéria, Indonésia, Tanzânia e Quênia, foi um dos primeiros países a contarem com a plataforma, criticada pela ideia de que o Facebook estaria escolhendo deliberadamente o que é essencial ou não para a população, uma forma de controlar o acesso das pessoas.

Fonte: Internet.org