Facebook adota medidas para incentivar o voto nas eleições dos EUA

Por Wagner Wakka | 29 de Junho de 2020 às 11h33
Wagner Wakka/Canaltech
Tudo sobre

Facebook

Saiba tudo sobre Facebook

Ver mais

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, divulgou um vídeo na rede social com atualizações sobre as políticas da empresa sobre como lidar com informações relacionadas à votação nos Estados Unidos. Segundo a publicação, a plataforma vai colocar um link junto a quaisquer publicações relacionadas ao tema para direcionar os usuários a informações oficiais do governo. A medida serve tanto para o Facebook quanto para o Instagram.

Tal link levará para um hub de informações sobre votação, que podem ajudar o cidadão a se registrar e encontrar onde votará de acordo com fontes oficiais. O desafio da plataforma, contudo, é não fazer julgamentos e apenas direcionar o usuário.

“Por exemplo, se alguém diz, no dia da eleição, que uma determinada cidade foi identificada como um foco de COVID-19, isso é um desestímulo à votação ou apenas uma informação de saúde pública? Por conta dessa dificuldade de julgamento em escala, nós estamos adotando essa política de colocar o link para nosso centro de informações sobre votação para as publicações sobre o tema, incluindo de políticos”, ressaltou Zuckerberg. “Isso não é um julgamento de se as publicações são ou não precisas, só queremos que as pessoas acessem informações oficiais de qualquer forma”, completou.

O executivo também informou que o Facebook vai ter um grupo voltado a suprimir iniciativas que desestimulem à votação. Segundo Zuckerberg, a experiência da plataforma em 2018 mostrou que nas vésperas das eleições há uma campanha massiva para fazer com que as pessoas não saiam de casa para votar. Por conta disso, a rede social vai ter um time especial dedicado a isso nas últimas 72 horas antes da votação para monitorar movimentos desse tipo.

Entre as publicações falsas comuns, estão algumas que indicam que imigrantes terão passaportes vistoriados antes de votar, o que desestimula a participação de latinos e asiáticos. “Também vamos remover quaisquer ameaças de interferências coordenadas, como alguém dizendo ‘meus amigos e eu vamos fazer nosso próprio monitoramento nas urnas para garantir que as pessoas certas estão votando’, o que pode ser usado para intimidar eleitores”, explicou o CEO.

Por fim, o Facebook também disse que vai rotular conteúdos confiáveis de plataformas e empresas parcerias da rede social. “Só para deixar claro: não há exceções para conteúdos que incitem violência ou desestimulem a votação”, pontuou Zuckerberg.

Tanto o vídeo quanto a transcrição da fala de Zuckerberg estão disponíveis no Facebook.

Fonte: Facebook

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.