Facebook acabará com "amigos próximos" e outros recursos baseados em localização

Facebook acabará com "amigos próximos" e outros recursos baseados em localização

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 06 de Maio de 2022 às 15h10
Montagem: Matheus Bigogno/Canaltech

O Facebook começou a avisar aos usuários que o recurso "amigos nas imediações" e outros baseados em localização serão removidos da rede social até o final do mês. A plataforma não esclareceu porque fará isso, mas informou que todas as informações relacionadas serão excluídas definitivamente dos servidores.

A funcionalidade é usada para quem desejar compartilhar sua localização atual com amigos do Facebook. A ideia inicial era saber quando uma pessoa conhecida estivesse por perto para você "dar um oi" ou conversar. O comunicado está sendo enviado como uma notificação nos aplicativos para iOS e Android.

O aviso traz detalhes sobre o fim de recursos de localização no Facebook (Imagem: Reprodução/Facebook)

Além disso, as informações sobre alertas de tempo, o histórico de localização e localização em segundo plano também devem ser banidas da rede social em breve. O prazo final para usar essas ferramentas é 31 de maio de 2022, sem possibilidade de prorrogação. O histórico de localização do usuário (que mostra um mapa dos lugares visitados) poderá ser baixado até 1º de agosto de 2022 — depois disso, esses dados serão permanentemente excluídos.

Localização ainda será usada

Embora aparente ser uma interrupção dos dados de localização, o Facebook afirma que manterá a coleta do geoposicionamento das pessoas. Segundo a empresa, as informações serão utilizadas para "outras experiências" — provavelmente relacionado a publicidade online.

Este comunicado sobre o fim dos serviços de localização surge como uma notificação (Imagem: Reprodução/Facebook)

Vale lembrar que qualquer pessoa pode desativar o acesso do aplicativo do Facebook à localização nas configurações de privacidade do iOS e do Android. Isso, contudo, pode ter impactos na experiência de uso do programa, especialmente em relação ao algoritmo de recomendação de conteúdo e aos anúncios.

Com leis cada vez mais severas sobre o acesso a dados pessoais, a iniciativa do rede de Mark Zuckerberg vai no sentido de se isentar de culpa no caso de possíveis vazamentos. Quanto menos informações a rede armazenar, menor as chances de sofrerem consequências legais, principalmente quando se trata de um recurso que pouca gente utiliza.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.