Declarações de diretor do Facebook geram revolta na Índia

Por Redação | 10.02.2016 às 11:15

Após uma longa disputa e argumentações de ambos os lados, o projeto Free Basics, do Facebook, foi vetado na Índia por ir contra os princípios de neutralidade da rede no país. Entre declarações dadas por Mark Zuckerberg e o apoio do “pai da internet”, Tim Berners-Lee, foi uma mensagem publicada no Twitter por Marc Andreessen, um dos membros da diretoria da rede social, que causou a maior polêmica.

Comentando sobre a decisão, o investidor disse que negar conectividade, mesmo que de forma básica, para os mais pobres é “moralmente errado”, principalmente quando isso é feito por questões ideológicas. E elaborou, ao responder um usuário, afirmando que é justamente o sentimento anticolonialista que permeia a sociedade indiana um dos principais responsáveis por sua catástrofe econômica.

Foi justamente essa segunda declaração, rapidamente deletada por Andreessen, que causou polêmica. A Índia foi uma colônia inglesa por mais de 200 anos, até se tornar independente em 1947. Até hoje, esse é um tópico corrente nas discussões políticas do país e também um ponto sensível, uma vez que a exploração teria levado a dificuldades no livre mercado, um problema que assolaria o país economicamente até os dias de hoje.

A declaração de Andreessen, posicionando-se contra esse tipo de postura, acabou tendo o efeito contrário e fortaleceu o que os opositores do Free Basics chamam de um “colonialismo digital”. A ideia de que o Facebook estaria escolhendo quais seriam os serviços básicos a serem acessados pelos cidadãos em regiões ou em condições de pouca ou nenhuma conectividade é criticada não apenas por ferir os princípios de neutralidade, mas por ser uma quebra na liberdade de escolha.

Após deletar o comentário, Andreessen disse que, a partir de agora, não participará mais de discussões sobre política ou economia indianas. Oficialmente, entretanto, nem ele nem o Facebook se pronunciaram sobre o caso, uma postura que, inclusive, a rede social vem mantendo quando o assunto é o projeto Free Basics e as alegações de que ele estaria violando regras locais de neutralidade na rede.

Fonte: The Next Web