Consumo de notícias está crescendo no Facebook e Twitter

Por Redação | 15 de Julho de 2015 às 12h59

Os tempos em que as redes sociais eram meros lugares para se encontrar amigos, ver fotos ou compartilhar memes engraçadinhos podem estar chegando ao fim. Em busca de maior credibilidade, engajamento e, acima de tudo, monetização, Twitter e Facebook têm feito grandes esforços para que suas plataformas também se tornem sinônimo de informação, em uma estratégia que parece estar dando muito certo para ambas as partes.

Uma pesquisa feita pela consultoria Pew Research Center mostrou que, nos últimos dois anos, um crescimento bastante interessante tem ocorrido no consumo de notícias por meio dos sites. Hoje, Facebook e Twitter estão empatados nesse quesito, com 63% de seus usuários afirmando que os consideram como boas fontes para se manterem informados.

A rede social de Mark Zuckerberg foi a que aumentou mais nesse quesito, saindo de 47% em 2013 para o total atual. Enquanto isso, o Twitter, que desde sempre é reconhecido como um fluxo de informação em tempo real, saiu de 52% para 63%, uma prova de que a estratégia vem dado certo e não apenas mantendo os usuários que faziam isso desde o início, mas também trazendo novas pessoas para esse formato.

Os números, porém, são bem diferentes quando se fala em informação em tempo real. Por causa das características bastante diversas de suas linhas do tempo, o Twitter permaneceu como a rede social preferida dos usuários na hora de obter informações sobre eventos que estão acontecendo em tempo real. 59% dos entrevistados disseram que permanecem na rede social do passarinho para acompanhar atualizações simultâneas dos fatos que lhes interessam.

Enquanto isso, o Facebook aparece com 31% nessa mesma categoria. Isso se deve ao fato de muitas vezes o site não exibir as postagens no exato momento em que elas são realizadas, mas sim trabalhar com um algoritmo que detecta o que pode ser mais interessante para o usuário de acordo com seu histórico de interação e curtidas. É possível configurar a rede para que ela exiba tudo em tempo real, mas, por outro lado, essa não é sua configuração padrão e a característica pode acabar passando despercebida para muita gente.

Os dados apresentados até agora são todos referentes aos jovens e a situação muda completamente quando se fala nos adultos. Entre o pessoal mais velho, o Facebook é dominante – 66% deles utilizam a plataforma, sendo que 41% desse total acredita que ela é uma boa fonte de notícias e informação.

Enquanto isso, no Twitter, esses números são, respectivamente, de 17% e 10%. O caráter efêmero e mais veloz do passarinho pode ser a causa para isso, uma vez que, ao contrário disso, o Facebook traz mais links e informações de contexto. A ideia de uma conexão direta entre familiares e conhecidos também dá a vantagem entre os mais velhos, já que um dado tende a ser encarado como mais confiável quando é compartilhado por alguém estimado.

Aqui, entram principalmente os conteúdos sobre política, com 32% dos usuários do Facebook afirmando que esse é o principal tipo de postagem entre as notícias que escolhem compartilhar na rede. Por outro lado, esse total é de 25% no Twitter, o que explica as inúmeras brigas, discussões e estranhamentos que acontecem mais em uma rede do que na outra.

Apesar disso, um total definitivo é o que deve ser mais trabalhado pelas empresas de tecnologia. 60% dos entrevistados afirmaram que tanto o Twitter quanto o Facebook ainda são vistos como uma forma secundária de se obter informação – ou como um método “menos importante” –, atrás de outros meios mais tradicionais como sites, jornais e televisão. Ainda há um longo caminho a ser seguido e ele envolve não apenas mais engajamento, mas também uma mudança de noção, algo muito mais difícil de se obter.

Fontes: Pew Research Center, The Next Web

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.