Cambridge Analytica | Dados de usuários do Facebook ainda estão circulando

Por Felipe Demartini | 29 de Março de 2018 às 12h44
Tudo sobre

Facebook

Os dados de usuários do Facebook usados pela Cambridge Analytica em campanhas políticas continuam circulando, por mais que a empresa tenha afirmado que tudo foi apagado. A denúncia é do canal britânico Channel 4, que disse ter tido acesso, ainda nesta semana, a uma parcela das informações utilizadas pela firma de análise e publicidade direcionada em suas campanhas políticas.

Os dados obtidos pelos repórteres trazem informações de 136 mil pessoas, todas dos estados americanos do Colorado e Oregon. As informações acompanham perfis psicológicos e de personalidade, justamente a base dos sistemas usados pela Cambridge Analytica para entregar propagandas adequadas a cada um, de forma quase individual. Esse método teria tido participação importante na campanha de manipulação política que levou à eleição de Donald Trump à presidência dos EUA e também à saída do Reino Unido da União Europeia.

Segundo a reportagem, os dados teriam sido coletados em 2014. Eles são parte de um conjunto que conteria perfis de mais de 50 milhões de pessoas nos Estados Unidos e Europa, em um escândalo detonado há duas semanas por um delator, que explicou todo o funcionamento do esquema.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A empresa de publicidade comprou o banco de dados usados nas campanhas políticas por US$ 800 mil de uma empresa chamada Global Science Research. Ela desenvolveu um teste de personalidade que exigia acesso a dados do perfil no Facebook. O problema é que, até 2015, ao permitir isso, os utilizadores também garantiam que os apps tivessem acesso às informações de todos os seus contatos. Foi assim que 270 mil pessoas, que responderam o quiz, deram origem a um banco de dados com mais de 50 milhões de indivíduos.

O Channel 4 não disse exatamente a fonte das informações, afirmando apenas que se eles foram capazes de obter acesso a elas, isso significa que outros também poderão fazer isso. É mais uma lufada de negatividade em um escândalo que coloca o Facebook na berlinda, já que foi uma brecha em suas permissões de privacidade a responsável por entregar tantas informações nas mãos da Cambridge Analytica.

Segundo a Cambridge Analytica, comentando a reportagem do Channel 4, as informações foram deletadas de seus servidores em 2015, a pedido do Facebook. Desde então, porém, a agência processou ex-funcionários e encontrou situações de roubo de dados de seus servidores. É bem possível que aqui esteja a raiz de um problema que pode se tornar bastante grave no futuro.

O Facebook, na voz de seu fundador, Mark Zuckerberg, já pediu desculpas pela “quebra de confiança” e anunciou medidas para evitar que algo assim volte a acontecer no futuro. A notícia de que os dados dos usuários ainda estão circulando, porém, deve ser uma pedra no sapato da companhia, com a possibilidade de vazamento e uso malicioso dos dados tornando tudo ainda pior.

Pelo menos de acordo com o que se sabe por enquanto, porém, os brasileiros estão seguros desta possibilidade. De acordo com a Cambridge Analytica, não existiam dados de cidadãos do nosso país em seu banco de dados. Os métodos de marketing político também iriam dar as caras por aqui nas eleições presidenciais deste ano, mas a parceria que permitiria isso foi rompida pelo representante nacional da empresa assim que o escândalo de privacidade foi detonado.

Fonte: Channel 4

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.