Arábia Saudita planeja executar gays que mostrem sua sexualidade na internet

Por Redação | 01 de Abril de 2016 às 17h40
photo_camera Divulgação

Embora grandes metrópoles em todo o mundo estejam cada vez mais abertas para a comunidade LGBT, infelizmente nem todos os lugares são assim. A Arábia Saudita é um dos países que ainda não veem a homossexualidade com bons olhos.

Segundo informações de fontes secretas, o governo do país está elaborando punições ainda mais duras para aqueles que forem considerados homossexuais. Também existe um plano para diminuir o alcance da internet porque, para eles, as mídias sociais têm um papel central no crescimento da comunidade LGBT no país.

De acordo com o jornal Okaz, nos últimos seis meses a polícia relatou 35 casos de homossexualidade e 50 casos de cross-dressing e "perversão sexual" na Arábia Saudita. O sistema judiciário do país afirma que tem ocorrido um aumento de "pervertidos" mostrando "seus pecados e obscenidades" em público por meio das redes sociais.

Nos últimos meses, os homossexuais estão enfrentando um cerco cada vez mais apertado das autoridades sauditas. Um homem foi preso essa semana por ter levantado a bandeira do arco-íris fora de sua casa, na cidade de Jeddah, por exemplo. Ele foi levado para a delegacia pela polícia religiosa horas depois de ter hasteado a bandeira. No fim do dia, o homem foi libertado sob a alegação de não saber o que a bandeira representava.

Outro caso recente envolve um homem com cerca de 50 anos de idade, que foi preso sob a acusação de estar tentando conseguir encontros com outros homens pela internet. Após a prisão, ele implorou perdão para a polícia e disse que não faria isso novamente.

As atitudes das autoridades têm gerado revolta nas redes sociais. Uma hashtag, #I_am_gay_will_not_be_deterred ("eu sou gay e não serei dissuadido", em tradução livre), foi criada para tentar combater a situação. Atualmente, o governo da Arábia Saudita pune pessoas abertamente gays com multas, chicoteamento e sentenças prisionais. Em segunda instância, o acusado ganha uma sentença de morte por meio de execuções à tiro.

Via Express