Facebook, Google e Twitter são processados por "facilitar terrorismo"

Por Redação | 16 de Junho de 2016 às 09h25
photo_camera http://olhardigital.uol.com.br/fique_seguro/noticia/facebook
Tudo sobre

Google

O pai de uma das 130 pessoas mortas no fim do ano passado em Paris, após uma série de atentados terroristas, abriu processos contra Google, Facebook e Twitter. A acusação feita por Reynaldo Gonzalez, que perdeu sua filha Nohemi na tragédia de 2015, é de que, de certa forma, as três empresas facilitaram o trabalho do grupo responsável pelos ataques.

Gonzalez alega que as companhias ofereceram “suporte material” para o Estado Islâmico e que, dessa forma, elas permitiram que o grupo recrutasse membros, obtivesse dinheiro e espalhasse “propaganda extremista” através de seus serviços de mídias sociais. Mas, segundo informações da Associated Press, para as empresas envolvidas, suas políticas de uso já proíbem atividades do gênero. O Twitter, por exemplo, alegou ter equipes espalhadas pelo mundo todo avaliando denúncias.

Terror na França

Uma das charges que repercutiram os ataques terroristas em Paris

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Apesar de os Estados Unidos (onde o processo foi aberto) não ter o hábito de punir plataformas pela maneira como seus usuários as utilizam, os advogados de Gonzalez dizem que a situação em questão é diferente, já que o processo não está ligado às mensagens do EI. “Isso é sobre Google, Twitter e Facebook permitindo que o EI use suas redes sociais para recrutamento e operações”, argumenta o jurista. E, uma vez que o Google cobra pela inclusão de publicidade em vídeos do EI postados no YouTube, Gonzalez e seus advogados afirmam ainda que a empresa é capaz de lucrar com os terroristas.

Fonte Associated Press

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.