Uso de redes sociais em ambiente corporativo ainda não é bem visto pelos CIOs

Por Redação | 27.05.2013 às 18:33

No início deste mês aconteceu o Floripa TICs Fórum 2013, evento na região Sul do país que reuniu 80 CIOs e líderes de tecnologia de várias partes do Brasil. Um dos assuntos debatidos no evento foi o uso de redes sociais em ambientes corporativos.

Durante três mesas redondas que contaram com a participação de 30 CIOs, a maior parte dos profissionais demonstrou certa restrição no que diz respeito ao livre uso das redes sociais nas empresas. A maior preocupação fica por conta da segurança e integridade das informações corporativas e da estrutura de TI.

"Embora quase todos aleguem que as redes hoje são uma necessidade, minha posição como gestor de TI é a de liberar com critérios restritos, tendo em vista o seu alto risco", disse Rodrigo da Costa Wagner, Diretor de TI do Grupo Brasanitas.

Em relação às demais áreas da empresa que lidam com as redes sociais, os CIOs apontaram o setor de Marketing como o principal responsável pela criação de perfis corporativos e a área de RH como aquela que mais solicita a restrição do uso das redes sociais, pois se preocupa com a produtividade dos funcionários.

"O CIO, constantemente, está ocupado com dificuldades críticas da estrutura de negócios e acaba apenas sendo acionado para ativar o perfil na rede social e gerenciar recursos de TI adequados a esse uso", comentou Luiz Gustavo Schedel, CIO da Websolute.

Em geral, os debates entre os profissionais mostraram que a principal indicação dos CIOs é a de criar mecanismos de controle para evitar comprometimento de dados empresariais, por exemplo. Além disso, eles também acreditam que as redes sociais devem deixar de ser um problema na arena das questões técnicas quando elas amadurecerem como ambiente de negócios.