Twitter traz mudanças para combater assédio e perseguição

Por Redação | 02 de Dezembro de 2014 às 19h02

O Twitter anunciou nesta terça-feira (02) algumas mudanças para combater perseguições e assédio moral na rede social. De acordo com o Wired, a companhia quer facilitar as denúncias e o recurso de bloquear pessoas de maneira mais efetiva.

As ferramentas de denúncia para perseguição foram redesenhadas para o ambiente móvel e agora passam a ser mais ágeis e coloquiais. Além de perguntarem quem foi afetado, seja o usuário ou um conhecido, também irão questionar a natureza desse assédio, como ameaças de violência.

No caso do assédio acontecer com o próprio usuário, há uma opção para preencher mais detalhes. Com a denúncia, a empresa promete avaliar a queixa e agir muito mais rápido que no passado.

A função de bloquear também deve ser mais incisiva. Anteriormente, mesmo após bloquear um usuário, ele poderia encaminhar algo, ver página de perfil e todos os tweets de quem o denunciou. Agora não. Ao restringir alguém, essa pessoa, desde que esteja logada, não será capaz de ver quaisquer informações.

Ainda que a pessoa bloqueada possa acessar o perfil ou os tweets públicos sem estar conectada, uma experiência no Twitter revelou que, aparentemente, os denunciados ficam menos propensos a continuar interagindo, devido ao fato de ter que abrir um outro navegador ou ter que se deslogar.

O Twitter também criou um página especial para administrar os "trolls". Com esse recurso, é possível ver todas as pessoas bloqueadas, além de poder "promover" alguns apenas para o status mudo ou restaurá-los completamente no caso de não haver mais incômodo.

Apesar de um pouco tardia — o Twitter lida com questões relacionadas sobre assédio desde sua abertura — a iniciativa é bem-vinda, principalmente porque há dois anos os usuários já vêm pedindo medidas como essas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.