Twitter quer levar seus anúncios também para sites e serviços

Por Redação | 12.01.2015 às 15:06

Os planos de acumular montanhas de fortuna por meio de anúncios na rede social parecem não estarem dando tão certo assim para o Twitter. De forma a manter seu fluxo de crescimento – que vem sendo considerado baixo por alguns analistas – a empresa estaria estudando uma maneira de levar propagandas também a feeds incorporados, estejam eles em sites em ou aplicativos de terceiros.

Em uma ideia que funcionaria mais ou menos como os anúncios do Google, por exemplo, o Twitter passaria a trabalhar com um programa de parceria. Caso um site decidisse colocar uma timeline da rede social em suas páginas, por exemplo, poderia optar pela exibição de tweets patrocinados naquele local, dividindo as receitas oriundas de propaganda com a rede social – ela, claro, leva uma parcela maior do custo por visualização.

De acordo com informações não confirmadas obtidas pelo Wall Street Journal, esse seria um primeiro passo na direção da resolução de uma das pedras no sapato do Twitter. Apesar de suas próprias versões web ou mobile ainda serem o principal meio de acesso da maioria de seus usuários, existe uma grande população de utilizadores da rede social que prefere os aplicativos proprietários. Isso sem falar naqueles que têm contato com a plataforma sem ter, efetivamente, uma conta nela.

Feeds do Twitter, por exemplo, são muitas vezes usados em sites como uma maneira de atrair seguidores, ou então, como uma forma de tornar uma cobertura ao vivo social e publicada em um site, ao mesmo tempo. É justamente nesse tipo de utilização que a empresa quer focar, expandindo seu alcance de propaganda para atrair novos clientes e, na mesma medida, ampliando significativamente sua audiência.

A reportagem diz não saber exatamente que está ao lado do Twitter nessa empreitada, mas nomes como Flipboard e ESPN já estariam testando o novo sistema com relativo sucesso. Em uma apresentação feita a portas fechadas na CES 2015, de onde saíram as informações relatadas pelas fontes do Wall Street Journal, a empresa disse que, inicialmente, a ideia é não tornar a exibição de anúncios arbitrária em soluções de terceiros como o TweetDeck ou outros clientes do tipo, mas que essa postura pode ser modificada no futuro.

Oficialmente, claro, o Twitter não se pronunciou sobre o assunto. Mas levando em conta que um dos grandes focos atuais da empresa é, justamente, o mercado de publicidade, essa ideia não parece nada distante. Pelo contrário, a iniciativa pode acabar gerando bons dividendos para a companhia, principalmente durante grandes eventos ou acontecimentos de comoção popular, nos quais as redes sociais brilham.