Twitter ganha mais por anunciante do que Facebook e Google

Por Redação | 06.03.2015 às 09:12
photo_camera Divulgação

Uma pesquisa realizada pelo site Business Insider vem para adicionar um plot twist interessante no mercado de publicidade digital. Apesar do Google e Facebook serem os atuais líderes absolutos quando se fala nesse mercado, parece que é o Twitter quem vem arrecadando mais dinheiro por anúncio, de acordo com os dados do estudo.

Segundo o levantamento, a média de gastos por anunciante na rede social do passarinho é de cerca de US$ 21 mil, exatamente o triplo do que é investido por cada um deles no Facebook. O Google fica na posição intermediária, com US$ 16 mil. Trata-se, na verdade, de um fato planejado, uma vez que o Twitter vem focando em grandes agências e marcas em seu projeto de publicidade.

O contrário, porém, pode ser dito do Google e Facebook, que permitem que, literalmente, qualquer pessoa pague alguns dólares para ter sua mensagem veiculada por aí. O alcance, claro, tem a ver com o total investido, mas essa abertura da plataforma é, principalmente na rede social de Mark Zuckerberg, ao mesmo tempo um fator que alavanca os números e também os deixa abaixo da média do mercado.

Por um lado, a democratização amplia significativamente o número de anunciantes, já que até mesmo o dono da padaria da esquina pode investir em anúncios para seu público, fazendo parte de um rol de pagantes ao lado da Coca-Cola e do McDonald’s, por exemplo. Entretanto, pequenas e médias empresas não têm tanto dinheiro assim para investir, o que acaba derrubando a média de valor investida por cada um deles.

Em valores totais, claro, essa é uma estratégia que dá certo. Apesar do Twitter estar na frente em média de gastos, os números totais obtidos por ele nem chegam perto daqueles registrados a cada trimestre pelo Google e pelo Facebook. A guerra entre as duas gigantes, inclusive, deve aumentar agora que a rede social de Zuckerberg lançou o Atlas, uma nova plataforma de publicidade que levará anúncios também para fora das nossas linhas do tempo, mas utilizando também as informações de perfis e dados de acesso ao Facebook para entregar um direcionamento que, aparentemente, parece ser mais certeiro que os cookies e históricos de acesso.

Enquanto isso, o Twitter continua dando seus passos para ganhar relevância no mercado publicitário, adquirindo startups com ferramentas para esse fim e disponibilizando serviços exclusivos para os anunciantes. Aqui, estamos falando de um requisito indispensável para uma empresa que, para muitos especialistas, fez uma abertura de capital precoce e, agora, tenta se manter lucrativa para não ver suas ações perdendo valor.