Twitter está testando nova interface que o deixa parecido com Facebook

Por Redação | 12.02.2014 às 12:32
photo_camera Divulgação

O CEO do Twitter, Dick Costolo, já havia dito anteriormente que faria o necessário para tornar o Twitter mais atraente aos olhos do usuário. A declaração foi feita logo após a empresa registrar um déficit de mais de US$ 500 milhões e admitir dificuldades em manter seus usuários interessados no serviço de microblog.

Ao que tudo indica, Costolo não estava de brincadeira e, de acordo com o Mashable, o site está testando uma nova interface cujas características aproximam o Passarinho dos seus concorrentes Facebook e Google+. Segundo os relatos, um dos editores do site se surpreendeu ao acessar sua conta e perceber que sua página de perfil havia mudado drasticamente, levando-o a acreditar que estava no Facebook.

Imagens da nova página de perfil mostram que o avatar do usuário, bem como sua biografia, foram realocadas para o canto esquerdo da página e a imagem de cabeçalho ganhou um espaço significativamente maior no topo da página. O fluxo de tuítes também foi repaginado e agora dá mais destaque a fotos em algo que se assemelha à linha do tempo do Facebook.

O Twitter está testando uma nova interface que aproxima seu design de concorrentes como Facebook e Google+

O Twitter está testando uma nova interface que aproxima seu design de concorrentes como Facebook e Google+

Abaixo da imagem de cabeçalho encontram-se o número de tuítes, fotos e vídeos (uma nova categoria recém criada), quem você segue, quem segue você, tuítes favoritos e listas. Ao acessar um perfil a partir do novo design, ele automaticamente será rearranjado no novo visual.

Assim como as demais alterações de design que a empresa promoveu no site, é possível que essa seja liberada apenas para uma parcela mínima de usuários para que eles a testem, façam sugestões e apontem falhas. Com o tempo, é possível que ela chegue a todos os usuários num futuro não muito próximo. É que o site mudou seu design na web há apenas alguns dias e uma nova mudança nos próximos meses é altamente improvável.