Twitter compra startup de anúncios para aplicativos móveis

Por Redação | 05 de Junho de 2014 às 12h19
Tudo sobre

Twitter

A empreitada do Twitter no mundo dos anúncios em aplicativos móveis acaba de ficar mais forte. É que a empresa anunciou nesta quinta-feira (05) a compra da Namo Media, uma empresa especializada em tornar os anúncios muito mais naturais, permitindo que eles apareçam de forma nativa nas soluções dos clientes e aumentem o engajamento dos usuários.

Por meio do que a startup chama de “layouts adaptativos”, as propagandas são aplicadas em módulos que podem ser customizados da maneira que o desenvolvedor quiser. Assim, os comerciais aparecem para quem está usando o app como se fossem parte integrante deles, mais ou menos como já acontece hoje no Twitter. Com isso, a ideia é gerar um resultado mais harmonioso e, do ponto de vista dos negócios, muito mais rentável.

Os detalhes sobre a transação não foram revelados pela Namo Media, que foi a responsável por divulgar a aquisição. A empresa disse que continuará trabalhando em sua plataforma de anúncios ativos para desenvolvedores de aplicativos, mas não comentou se a solução será lançada pelo Twitter ou se permanecerá independente, apesar de ligada diretamente à sua nova dona.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Para a rede de microblogs, a compra tem relação direta com a aquisição do MoPub, realizada em setembro do ano passado e também com foco na exibição de anúncios em dispositivos móveis. O uso de celulares e tablets para acessar serviços do tipo têm se tornado uma tendência cada vez maior, com números crescentes de usuários e influência até mesmo no mercado de dispositivos, com os PCs vendo seu sucesso sendo cada vez menor.

Como lembra o The Next Web, a compra da Namo Media significa mais um bom posicionamento do Twitter na área dos anúncios móveis, permitindo que a empresa “terceirize” as soluções do tipo e possa focar no real problema: o baixo fluxo de novos usuários. Ao contrário de concorrentes como o Facebook, a rede de microblogs não vem apresentando tanto crescimento assim e, desde a abertura de suas ações na Bolsa, tem sido vista como uma empresa cujo potencial de lucro é bastante arriscado.

É por isso mesmo que a aquisição de soluções de propaganda em celulares e tablets vem sendo vista como providencial não apenas para o Twitter. O dinheiro precisa seguir para onde os usuários estão e, no momento, eles parecem estar cada vez mais nos dispositivos móveis.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.