Twitter anuncia ferramentas para melhorar interação com a TV

Por Redação | 20.03.2014 às 09:35 - atualizado em 21.03.2014 às 01:50

A cúpula brasileira do Twitter anunciou à imprensa nessa quarta-feira (19) que está desenvolvendo novas ferramentas para diversificar o uso da rede de microblogs e melhorar a interação de tuiteiros com a TV. A ideia é criar salas de bate-papo em que os usuários possam seguir e trocar opiniões sobre o que estão assistindo, além de um sistema de interação no próprio aparelho de televisão. O anúncio foi feito durante a comemoração do primeiro ano do Twitter no Brasil.

Com a nova ferramenta os tuiteiros poderão seguir tudo o que for relacionado aos seus programas favoritos, incluindo mensagens de artistas e da produção, além de opiniões de outros usuários. Além disso, ela também irá dar recomendações de acordo com a popularidade de certos programas na rede, mostrando os assuntos mais comentados.

A empresa também afirmou que está desenvolvendo um aplicativo que deverá ser rodado no próprio aparelho de televisão. Nele, o usuário poderá ler, enquanto assiste a um programa, o que está sendo comentado sobre a atração no Twitter. As mensagens serão mostradas em set-top boxes dos canais de TV a cabo, dispensando o uso de um aparelho com internet para utilizar a ferramenta.

Segundo Guilherme Ribemboim, diretor geral do Twitter no Brasil, as inovações são motivadas por pesquisas da própria empresa: no ano passado, foi verificado que 60% dos tuiteiros usam a rede social para acompanhar a programação da TV. Além disso, 70% o fazem para consumir informações, 67% para seguir celebridades e 70% para acompanhar eventos em tempo real. No passado, o Twitter já realizou ações para estimular esses consumos (convidando celebridades para publicar, ou incentivando portais de notícias a utilizar a rede social), e ao que parece, o próximo passo é a interação com a televisão.

Sobre as operações do Twitter no Brasil, Ribemboim comentou o aumento do uso da rede em telefones celulares. Ele atribui esse crescimento - de 40% dos usuários para 64,7% - ao maior acesso da população aos smartphones, além de acordos com as principais operadoras para que haja acesso gratuito à rede social.