Seus 'likes' no Facebook podem revelar mais sobre você do que imagina

Por Redação | 18.03.2013 às 07:25

Você pode não perceber, mas seus likes no Facebook revelam coisas muito importantes sobre você. Um estudo comprovou que suas curtidas podem involuntariamente revelar traços de personalidade, orientação sexual e até mesmo sua inteligência.

Pesquisadores da Universidade de Cambridge estudaram os likes de 58 mil usuários da rede social e disseram ser capazes de determinar o QI de cada pessoa, sua orientação sexual, convicções políticas e religiosas, e até mesmo o uso de alguma substância ilícita com uma taxa de precisão de mais de 80%.

O estudo, publicado na 'Proceedings' da Academia Nacional de Ciências norte-americana, analisou expressões de aprovação em determinadas fotos, atualizações de status dos amigos, páginas de esportes, músicos e livros. Esses dados foram comparados com os perfis demográficos fornecidos pelos usuários e outros testes psicométricos, e então os pesquisadores descobriram que conseguiram prever corretamente a orientação sexual de 88% dos usuários estudados, 95% de sua etnia, e 85% de sua orientação política.

"Este estudo demonstra o grau em que registros digitais relativamente básicos do comportamento humano podem ser usados para estimar, de maneira automática e precisa, uma ampla gama de atributos pessoais que as pessoas normalmente supõem ser privados", disseram os pesquisadores no estudo.

Embora se reconheça que a previsão dos atributos e preferências pode ser utilizada para melhorar uma ampla variedade de produtos e serviços, os pesquisadores observaram que houve consideráveis implicações negativas para o modelo de previsibilidade, especialmente quando os registros digitais são analisados sem o conhecimento ou autorização do indivíduo.

"As empresas comerciais, instituições governamentais ou mesmo amigos do Facebook podem usar o software para deduzir atributos como inteligência, orientação sexual ou opiniões políticas que um indivíduo pode não ter a intenção de compartilhar", concluíram os estudiosos. "Tais previsões, mesmo se estiverem incorretas, poderiam representar uma ameaça para o bem-estar de um indivíduo, sua liberdade, ou até mesmo sua vida."