Modelos estão processando Snapchat por uso indevido de imagem

Por Redação | 25 de Setembro de 2014 às 17h01
photo_camera Divulgação

O Snapchat está de volta aos tribunais. Agora, é a vez de duas modelos processarem a empresa por uso indevido de imagem, além de pedirem recompensação por danos causados pela utilização do aplicativo por seus usuários. Estamos falando de Sarah e Elizabeth Turner, duas americanas que se tornaram as principais garotas propaganda do software.

No processo que foi registrado nessa semana junto à justiça norte-americana, elas afirmam ter posado de boa vontade para o Picaboo, versão inicial do Snapchat, sem terem recebido nada por isso. Na época, o aplicativo não tinha a menor intenção comercial e era exclusivo para celulares com o sistema operacional iOS.

Passou-se o tempo e o Snapchat se tornou um dos apps mobile mais baixados do mundo. Com isso, veio também uma utilização não imaginada nem mesmo por seus criadores, com usuários usando a característica temporária das imagens para enviar fotos e vídeos quentes uns para os outros.

Snapchat girls

Com isso, afirmam as irmãs Turner, cresceu o interesse pelas imagens das duas e, em uma busca no Google por “vadias do Snapchat”, elas aparecem em primeiro lugar. Por isso, além de pedirem compensação pelo uso de suas fotos fora do escopo original, pedem também indenizações por danos pessoais causados pela repercussão do software.

De acordo com as informações do Business Insider, que teve acesso ao processo, Elizabeth conta que foi contatada por um amigo em comum com o ex-diretor do Snapchat, Evan Spiegel, sobre posar gratuitamente para fotos em um “projeto de faculdade”. Era o Picaboo.

As fotos teriam sido produzidas em 2011 pelo próprio Spiegel e Bobby Murphy, hoje diretor de operações da empresa. Na ocasião, a modelo pediu que sua irmã, Sarah, também participasse da sessão para torná-las mais naturais. As imagens acabariam fazendo parte do tutorial oficial da ferramenta e também estariam em diversos produtos promocionais. Na época, as duas assinaram um documento de liberação de uso das fotos para o aplicativo no iOS.

O tempo passou, o Picaboo evoluiu e ganhou o mundo como Snapchat. As imagens das duas apareceram também no sistema operacional Android e no site oficial da ferramenta e é justamente por isso que a dupla exige pagamento, por não ter autorizado a utilização para tais fins. Além disso, elas alegam que suas imagens ajudaram a empresa a atingir a valorização atual, de cerca de US$ 10 bilhões.

O que seria uma bela publicidade para qualquer aspirante a modelo, porém, se transformou em “constrangimento, incômodo e perda de valor” quando o Snapchat começou a ser usado para a prática do sexting, termo aplicado ao envio de mensagens de texto com fotos picantes. Foi justamente esse o motivo que levou as irmãs a processarem a companhia, em busca daquilo que acreditam ser devido.

O Snapchat, por enquanto, não se pronunciou sobre o assunto. O valor do processo não foi divulgado.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.