Incêndio e depredação de ônibus em São Paulo foram combinados no Facebook

Por Redação | 08.05.2013 às 10:09

Tempos de modernidade: enquanto uns reclamam do Facebook por ser uma forma de exposição de interesses e particularidades, outros tiram proveito da rede para combinar atos de vandalismo e crimes mais severos. Foi o que aconteceu no último fim de semana, quando cinco ônibus foram incendiados e depredados na zona leste de São Paulo, como resultado de uma revolta combinada na internet para protestar a morte de um criminoso em confronto com a polícia.

Houve debates no Facebook e, de acordo com O Estado de S. Paulo, algumas postagens foram esclarecedoras. Segundo os debatedores do site, um jovem com mais de 500 amigos no Facebook morava no bairro do Jardim Robru, onde ocorreu o crime, e foi morto por policiais militares na madrugada de sábado. Na rede social, ele era conhecido pela alcunha de "Robinwood".

Aparentemente no auge da curtição da juventude, Robinwood era um rapaz vaidoso e frequentava a igreja com os amigos. Apesar disso, afirmava trabalhar nas "faculdades criminosas".

O caso de Robinwood chegou a repercutir na rede social logo após seu incidente com os policiais. Quando foi descoberto que ele estava morto, os demais jovens que o seguiam revoltaram-se e criaram uma espécie de movimento na internet, que acabou em forma de protesto e vandalismo nas ruas da cidade.

Um dos amigos do rapaz falecido postou: "Queima buzão... Fogo na Penha... Destrói a Tiradentes... A Nazaré parou", quando outro respondeu: "Já fizemos parça, o Penha queimado e o Tiradentes destruído". Os debatedores ainda afrontaram, indiretamente, a polícia em suas postagens, e alguns dos jovens amigos de Robinwood também diziam fazer parte das "faculdades criminosas", em seus perfis.

A mãe de um dos jovens entra na conversa para defender o trabalho dos policiais e posta sua bronca: "Filho, eu já te falei. Eles não são malditos. Estão fazendo o trabalho deles. Vocês jovens precisam parar com isso. E pensem que as pessoas procuram às vezes a própria situação por achar que se pode tudo. Gente, nossos jovens estão se matando mais cedo por não escutarem os conselhos dos pais. Eles acham que a gente fala demais. Não é isso. A gente não quer que nossos meninos partam cedo".

O incêndio e depredação de cinco ônibus urbanos não deixaram nenhuma pessoa ferida.