Homem é demitido após 'curtir' página do oponente de seu chefe no Facebook

Por Redação | 21 de Maio de 2013 às 11h15

Um homem que foi demitido graças a um clique no botão 'Curtir' na página do Facebook do adversário de seu chefe recorreu aos tribunais para alegar que todas as 'curtidas' da rede social estão protegidas pela Constituição dos Estados Unidos.

Danny Carter trabalhava para o então xerife de Hampton (EUA), B.J. Roberts quando supostamente resolveu dar um inocente 'like' na página do homem que iria concorrer contra B.J. na próxima eleição para o cargo - sim, lá os delegados ou xerifes, como preferir, são eleitos pela população.

De acordo com a Bloomberg, o caso aconteceu há quatro anos quando Danny e outros cinco funcionários foram demitidos por supostamente apoiar o oponente do chefe B.J. Os seis funcionários resolveram entrar com uma ação na justiça para reclamar o direito à liberdade de expressão, mas em abril de 2012 um juiz descartou a petição após descobrir que “um clique do mouse" não está protegido pela Constituição norte-americana.

O advogado de Danny e seus amigos agora conta com o apoio de um advogado do próprio Facebook. Eles querem provar ao tribunal da Virginia que um clique no mouse é sim um discurso protegido pela lei.

O argumento utilizado pelo advogado do Facebook diz basicamente que se Danny tivesse ido até uma esquina e anunciado em alto e bom som: "Eu curto Jim Adams (o concorrente) para xerife de Hampton", o processo não existiria, pois sua declaração seria protegida constitucionalmente. O fato de ele ter feito isso online, com um clique no mouse, não priva o discurso da proteção constitucional. O processo ainda está em andamento.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.