Funcionários do Facebook contam quais os piores aspectos de trabalhar na empresa

Por Redação | 29.01.2015 às 17:00
photo_camera Reprodução

Trabalhar em uma grande empresa de tecnologia, como o Facebook, pode ser o sonho de muita gente. No ano passado, por exemplo, a criadora da rede social foi eleita a número um para se trabalhar pelos funcionários da Glassdoor, mas nem tudo são flores nos corredores da companhia de Mark Zuckerberg.

Em um típico aberto no Quora, desenvolvedores, engenheiros, estagiários e ex-funcionários do Facebook listaram as piores coisas sobre trabalhar na empresa de Zuck. É importante destacar que isso representa apenas uma parcela mínima dos empregados do Facebook e não uma visão geral sobre a empresa, mas é interessante saber o que algumas pessoas pensam sobre o ambiente profissional da companhia. Confira:

Mark Zuckerberg

Disponibilidade

O engenheiro Keith Adams conta que durante seis semanas por ano ele tem que ficar disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, caso apareça alguma urgência. Neste período, ele conta que não pode sair da cidade aos finais de semana, tenta não demorar em qualquer passeio que faz e tem que ter sempre em mãos o telefone carregado para responder imediatamente caso seja necessário. De quebra, ele diz que tem que deixar uma campainha ao lado da cama enquanto dorme.

Profissionalismo

bagunça

Um engenheiro que preferiu permanecer no anonimato afirmou que geralmente há uma espécie de "muro" nas empresas entre o trabalho e a vida pessoal, mas no Facebook os funcionários são incentivados a serem “eles mesmos” e com isso, segundo ele, a rede social não tem o mesmo grau de “profissionalismo” visto em outras companhias.

Falta de liderança

Um ex-funcionário anônimo afirmou que o Facebook valoriza muito mais as vitórias pessoais do que o sucesso do trabalho em equipe. “Há muito pouco valor colocado em um gerente que tem a capacidade de motivar as massas”, afirmou ele. Segundo ele, os gerentes acabam se tornando colaboradores individuais por acreditarem que ser responsável por uma equipe é apenas “mais uma coisa”. Para o funcionário, os líderes “são tão focados em si mesmos” que acabam dedicando pouco tempo para as equipes.

Funcionalidade

Segundo os relatos, o Facebook não possui “uma infraestrutura verdadeiramente funcional”. Por causa disso, é muito mais difícil fazer coisas legais com equipes de 4 mil pessoas, como acontece na companhia. “Estamos crescendo tão rápido e nunca enfatizaram a organização ou estabilidade”.

Amigos

A esposa de um ex-funcionário do Facebook afirmou que, após ele ser contratado pela empresa, amigos e familiares viviam se queixando sobre problemas pontuais da rede social. “Como esposa, eu era frequentemente solicitada para ajudar sobre como usar as configurações de privacidade unicamente com base no fato de ser casada com alguém que trabalhava no Facebook”.

Startup x gigante

Outro ex-funcionário alega que a empresa, mesmo já sendo uma gigante da tecnologia, ainda tenta agir como se fosse uma startup. “Isto é como uma espécie de filme do Adam Sandler em que ele é velho, mas quer agir como um adolescente. Não é funcional”, afirma.

Falta de foco

Um estagiário conta que, no último dia de seu contrato, a equipe decidiu que não valia a pena reescrever completamente um projeto pelo qual ele se dedicou todo o tempo em que esteve na companhia. “Se uma visão mais clara do futuro do produto tivesse sido comunicada a equipe, eu acho que eu poderia ter feito muitas melhorias nele e impactado a empresa de uma forma mais positiva”, lamenta.

Acham que vão mudar o mundo

Algumas pessoas acham que porque trabalham em uma empresa legal estão construindo grandes coisas para mudar o país e a vida das pessoas, fala uma das pessoas que trabalharam lá. “Você pode estar trabalhando para uma empresa legal, mas você ainda está trabalhando. Neste caso, você está trabalhando para realizar o sonho de outra pessoa”, afirma.

Falta de apoio

Um ex-funcionário contou que era empreiteiro e foi designado a substituir uma colega de licença na área administrativa. Segundo ele, houve pouca orientação ou apoio e ele teve que trabalhar com dois líderes ruins. “Foi provavelmente a minha pior experiência profissional até hoje”, afirma.

Esnobar colegas

Fofoca trabalho

Relatos apontam que é comum dividir o espaço de trabalho com colegas nada agradáveis e que muitas vezes são esnobes e grosseiros. Em uma das publicações, um anônimo diz que normalmente os funcionários usam um tom de voz de menosprezo para esnobar os colegas de trabalho.

Roupa suja

Ser tratado como lixo foi a reclamação de outro ex-funcionário que alegou que designaram tarefas impróprias para ele. Entre elas estava a de separar roupa suja do diretor e da esposa, inclusive com cuecas sujas no meio, conta.

Valor da empresa

Uma fonte anônima afirmou que muitos funcionários do Facebook se sentiram impotentes quando a empresa foi “supostamente avaliada em US$ 200 bilhões e tinha uma oferta pública sombria”, conta.

Concorrentes

Outro usuário do Quora afirmou que não vê nenhum fator surpreendente no Facebook. “Muitas vezes o Facebook parece estar mais preocupado com o Google ao invés de focar em seus pontos fortes e sua missão”.

Produção em massa

Um funcionário conta que o “local de trabalho é terrível”, com filas e filas de mesas com pessoas ombro a ombro, às vezes separadas por poucos centímetros e com nenhuma privacidade. “Isso é como você manter o gado no curral”, afirma. Ele ainda alega que há profissionais de muito talento ganhando muito pouco na companhia.

Não existe hierarquia de decisão

O engenheiro de software Philip Su conta que muitas vezes as decisões são tomadas por pessoas isoladas, como um engenheiro, ou numa conversa com um designer durante o almoço ou simplesmente por estagiários. “Esse tipo de autonomia de decisão sugere uma completa falta de compreensão de como as empresas devem funcionar”, afirma.

Facebook móvel

Um ex-funcionário anônimo alegou como ponto negativo a frustração de ver como a experiência do Facebook móvel é ruim e que as queixas dos usuários são diárias e nada tem sido feito a respeito. Ele ainda afirma que o app da rede social é desajeitado e consome muito da bateria dos aparelhos, o que pode resultar na evasão dos usuários para serviços móveis mais simples.

Sem incentivo

trabalho

Colocado em um plano de desempenho rigoroso com duração de 10 dias, um ex-funcionário afirma que não recebeu instruções claras e que estava destinado a falhar devido ao pouco suporte. Depois do prazo, no entanto, nenhum membro da equipe se preocupou em dar um feedback sobre os resultados e o assunto morreu por ai.

Distração

O ex-estagiário Felipe Oliveira Carvalho afirmou que, muitas vezes, para testar o código é necessário navegar sem parar pela rede social, o que leva à distração.

Sem vida pessoal

A funcionária do Facebook na Índia, Sunayana Sen, conta que mesmo durante as férias os empregados do Facebook nunca deixam totalmente o trabalho. Isso porque existem grupos na rede social para cada equipe, fluxo de trabalho e projeto e, portanto, as notificações nunca param de aparecer e o funcionário não consegue ficar totalmente off.

E-mails

O ex-funcionário Thomas Moore se queixa que já houve dias em que ele recebeu 1.600 ou mais recados/e-mails/mensagens de comunicação interna quando trabalhava na empresa. Ele ainda afirma que não gosta do status de pseudocelebridade por trabalhar/ter trabalhado no Facebook. “Sinto falta dos dias em que as pessoas respondiam com 'Facebook, o que é isso?'”.