Facebook vai testar drone do tamanho de um Boeing para distribuir internet

Por Redação | 27 de Março de 2015 às 12h45

O Facebook está com planos ambiciosos para levar a internet às cerca de 2,8 bilhões de pessoas ao redor do mundo que ainda não têm acesso à web. Um drone de internet com a mesma envergadura de um Boeing 747 é parte crucial desses planos; e ele já tem até nome: Aquila.

O vice-presidente de engenharia do Facebook, Jay Parikh, disse ao Wall Street Journal que a empresa está planejando "um voo teste real" do seu drone alimentado por energia solar para o verão do hemisfério norte, em meados de junho deste ano. Uma versão menor do Aquila, com um décimo do seu tamanho, foi testada com sucesso no início deste mês.

O primeiro voo teste do gigante, que possui o tamanho de um avião e pesa menos que um carro pequeno, vai esclarecer muitos pontos acerca do projeto. Parikh disse que a tecnologia solar da bateria para alimentar o drone Aquila não existia há um ano.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A ideia é que o avião não tripulado seja capaz de voar durante semanas, meses, e até mesmo anos, usando a energia solar para manter-se no ar levando a internet para locais que ainda não possuem conexão.

O Google tem um projeto parecido para a proliferação da internet, o Project Loon, porém a empresa de Mountain View utiliza balões para levar banda larga às partes desconectadas do planeta.

Quando perguntado se o Facebook iria desenvolver o seu próprio serviço de internet para competir com as operadoras de telefonia móvel ao redor do mundo, ele disse que não, pois iria contra a "missão central" da companhia. "Seria preciso um monte de dinheiro e eu não acho que isso seria sustentável em longo prazo". Agora, o Facebook precisa fechar acordos com operadoras de internet para oferecer o sinal do drone.

Outros executivos do Facebook já disseram que é improvável que o projeto seja finalizado em breve, uma vez que a empresa precisa garantir a segurança dos drones e, ao mesmo tempo, fechar parcerias com as operadoras.

Com informações do Wall Street Journal.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.