Facebook retira opção "se sentindo gordo" depois de petição online

Por Redação | 11.03.2015 às 12:54
photo_camera Foto: Divulgação

Na hora de atualizar um status no Facebook, a rede social disponibiliza diversos emoticons e descrições de sentimentos para que o usuário retrate as suas emoções no momento, como por exemplo, estar se sentindo feliz, triste, abençoado, entre outros.

Porém, uma petição online mostrou que nem todos esses sentimentos agradam os usuários, segundo informações do Verge. O protesto pede que o Facebook retire a opção "se sentindo gordo", com o argumento de que "estar gordo" não é um sentimento. Eles ainda afirmam que com isso, a rede social está encorajando uma imagem negativa em relação ao corpo, principalmente feminino.

Facebook emoticon

A petição online arrecadou mais de 16 mil assinaturas e o Facebook retirou o emoticon na última terça-feira (10).

Em um comunicado oficial, o Facebook comentou sobre o fato: "Nós ficamos sabendo pela nossa comunidade que "se sentindo gordo" como uma opção na atualização de status reforça uma imagem negativa do corpo, principalmente para pessoas que lutam contra distúrbios alimentares. Então, vamos remover o "se sentindo gordo" da lista de opções. Vamos continuar ouvindo o feedback enquanto pensamos em maneiras de ajudar as pessoas a se expressarem no Facebook", diz a mensagem.

A petição do site Change.org é apenas uma das diversas campanhas lançadas pelo grupo "Endangered Bodies", como parte do evento National Eating Disorders Awareness Week, que trata de assuntos relacionados a distúrbios alimentares.

A estudante de 24 anos Catherine Weingarten foi a responsável por espalhar a petição sobre o emoticon do Facebook. Ela diz que ele tirava sarro de pessoas que se consideram acima do peso e que têm problemas com a alimentação. No site, Weingarten comemorou o resultado do protesto com um depoimento:

"Esse sucesso mostra que pessoas unidas conseguem desafiar mensagens culturais que prejudicam a nossa habilidade de nos amarmos e vivermos confortáveis com os nossos corpos". Ela finaliza dizendo que se sente feliz por ter conseguido eliminar uma das formas de repressão ao corpo na internet.