Facebook quer mudar forma como mercado publicitário lida com anúncios digitais

Por Redação | 20 de Fevereiro de 2015 às 10h11
TUDO SOBRE

Facebook

Que o Facebook mudou a internet em praticamente todo o mundo, isso é indiscutível. Mas, agora, a rede social de Mark Zuckerberg deseja movimentar também o mercado publicitário mudando a forma como propagandas são contabilizadas e, acima de tudo, cobradas. Para a empresa, um anúncio só é válido quando é efetivamente visto.

A ideia pode parecer óbvia, mas não é assim que o mercado funciona. Normalmente, quando se falam em impressões, elas incluem as propagandas que são carregadas na página, mesmo que estejam no rodapé dela e acabem nunca sendo visualizadas pelo usuário. Ainda assim, os anunciantes são cobrados por isso, mas sua mensagem acaba não chegando aos clientes em potencial.

Para o Facebook, essa métrica de “anúncios servidos” é simplesmente errada e o que vale, de verdade, é apenas aquilo que está na área que está sendo visualizada pelo usuário. A rede social diz já trabalhar com esse sistema baseado em visualizações e, assim, tem entregado resultados de conversão muito melhores para seus clientes.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O texto, na realidade, faz parte de um movimento para mudar um pouco a faceta do mercado após a chegada da plataforma Atlas, seu sistema proprietário de publicidade. Como a dinâmica do mercado é a de anúncios servidos, o Facebook é obrigado a trabalhar desta maneira com as propagandas colocadas fora de seu próprio domínio. O resultado, teme a companhia, é uma inevitável taxa de cliques e conversões menor que a da própria rede social, o que pode muito bem ser confundido com uma possível baixa eficácia do sistema.

Além disso, logicamente, o texto vem como uma maneira de incentivar anunciantes a utilizarem o Facebook como sua plataforma padrão para propagandas. Se na rede social só conta o que é efetivamente visualizado, porque apostar em outros sites se eles podem acabar não passando sua mensagem para os consumidores? É essa a ideia que, como explica o Techcrunch, a empresa deseja firmar mesmo com a chegada do Atlas.

Mas não se trata apenas de falar e esperar resultados. Ao final do texto, o Facebook diz estar trabalhando junto a agências de publicidade e players do mercado para garantir que essa dinâmica seja aplicada a toda a internet. Entre os parceiros estão grupos de análise de mercado como o Media Rating Council, a Zenith Optimedia e a The Wendy’s Company, que opera cadeiras de lanchonetes e restaurantes nos Estados Unidos.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.