Facebook é acusado de infringir patente relacionada ao botão 'Curtir'

Por Redação | 13.02.2013 às 16:10

O Facebook está sendo processado nos Estados Unidos pela quebra de patente do programador holandês Joannes Jozef Everardus van der Meer, que supostamente seria o inventor do botão "Curtir" utilizado na rede social. Falecido em 2004, van der Meer registrou duas patentes para a criação de uma rede social, o Surfbook, que seria um serviço de compartilhamento de atividades entre amigos.

Assim como o Facebook, a rede social, que nunca chegou a existir, permitiria que outros sites utilizassem um botão para inserir parte do seu conteúdo dentro dela - de maneira semelhante ao botão "Curtir". Antes de morrer, Jozef chegou a registrar o domínio de seu site e criar uma empresa para administrá-lo, mas o serviço não chegou a ser colocado ar. As patentes para o botão "Add" e para o Surfbook foram conquistadas pelo holandês em 2001 e 2002, dois anos antes da criação do Facebook.

O processo está sendo movido pela Rembrandt Social Media, a empresa detentora das patentes, que contará com depoimentos de amigos e da viúva do holandês no julgamento. "Nós acreditamos que as patentes da Rembrandt representam uma fundação importante para as redes sociais como as conhecemos, e nós esperamos que o juiz e juri cheguem à mesma conclusão frente às evidencias", afirmou o advogado da empresa, Tom Melsheimer, à BBC.

De acordo com o processo, o Facebook utiliza as criações de van der Meer sem autorização dos donos das patentes, e que serviços como o botão "Curtir" têm uma "notável semelhança" com o que está descrito na patente garantida ao holandês.

A Rembrandt também está processando a empresa AddThis, que oferece um serviço semelhante ao "Curtir" para o compartilhamento de conteúdo de sites terceiros em redes sociais. Apesar de outras redes sociais trazerem serviços semelhantes aos do Facebook, a Rembrandt afirmou à norte-americana NBC que não está processando nenhuma delas no momento, mas não descarta a possibilidade.