Facebook anuncia dispositivo open source para gerenciamento de switches

Por Redação | 20 de Junho de 2014 às 09h44

Há alguns meses, quando o Google anunciou a compra de uma série de empresas de tecnologia – como a Nest e a Boston Dynamics –, especialistas da indústria apontavam a companhia como a única a se preparar para um futuro que será dominado por novos produtos. Na época, o Facebook foi duramente criticado porque suas aquisições se resumiam apenas a softwares, como o Instagram e WhatsApp.

Esse cenário mudou e a rede social de Mark Zuckerberg está se consolidando não apenas como uma corporação focada no software, mas também no hardware. Em março, o CEO anunciou a compra da Oculus VR, fabricante do popular headset de realidade aumentada Oculus Rift, por US$ 2,9 bilhões. Agora, a empresa revelou o Wedge, uma novidade voltada para infraestrutura interna que promete atingir diretamente entidades como a Cisco Systems e a Juniper Networks.

O Wedge faz parte do Open Compute Project (OCP), uma das iniciativas criada pelo Facebook em 2012 com o objetivo de reinventar a forma como são construídos e gerenciados os switches de computadores – dispositivos de hardware que carregam informações entre os data centers. Basicamente, o projeto consiste em um novo tipo de plataforma totalmente open source que reúne funções de um servidor dentro de um dispositivo de rede capaz de transferir dados rapidamente de máquina para máquina.

De acordo com Jay Parikh, vice-presidente de engenharia de infra-estrutura do Facebook, o Wedge é construído em cima do mesmo módulo microprocessador presente nos servidores da empresa. O equipamento foi inicialmente projetado para funcionar em velocidades de até 40 gigabits por segundo – bem acima da média dos switches ethernet atuais –, e que, no futuro, devem ser ampliados para mais de 100 gigabits por segundo.

Parikh explica que a grande sacada do produto é mudar o controle e gerenciamento de infraestrutura de rede para um modelo mais padrão baseado em código aberto, além, claro, de economizar os gastos com switches. Segundo o executivo, a companhia já economizou US$ 1 bilhão após a criação do Wedge. "Com os equipamentos de rede tradicionais, estávamos atrasando um monte de coisas. Eles não dão a flexibilidade de controle que nós queremos, nem a capacidade de configurar ou monitorar as coisas. Poder gerenciar isso tudo na rede é um diferencial para otimização [dos serviços]", disse à revista Wired.

Na parte de software, o Wedge roda um sistema operacional open source criado pelo próprio Facebook. Batizado de FBOSS, a plataforma funciona como um grande controlador central, que permite administrar de forma mais flexível as bibliotecas de software e sistemas usados atualmente para gerenciar todos os data centers da empresa. Fora isso, o FBOSS também garante dados de monitoramento mais precisos sobre o desempenho dos servidores, como arrefecimento e temperaturas internas das máquinas. Esses detalhes permitem à companhia determinar com mais precisão o consumo de energia e eficiência.

Facebook Wedge

(Foto: Divulgação/Facebook)

Uma ameaça às empresas de switches?

Segundo Najam Ahmad, vice-presidente de engenharia de redes do Facebook, o Wedge e seu sistema FBOOS já atraiu o interesse de empresas como Microsoft, Bloomberg e Goldman Sachs, além de escritórios menores que desejam trabalhar com o produto. O engenheiro acredita que companhias como Juniper e Cisco serão obrigadas a mudar suas estratégias para não perder espaço no mercado, que cada vez mais prefere opções mais baratas e open source de equipamentos. Isso sem contar na flexibilidade de não depender exclusivamente da fabricante do aparelho para consertar eventuais problemas.

"A ideia [do Wedge] é reduzir os custos de hardware de computação assim como o projeto de código aberto do Linux baixou os custos de software dos sistemas operacionais. Ou seja, através do compartilhamento de ideias e da inclusão do máximo de pessoas interessadas em trabalhar com novos projetos", destacou Ahmad ao jornal The New York Times.

"Nosso objetivo é ajudar uma indústria e não prejudicá-la", disse Matt Corddry, diretor de engenharia de hardware da empresa. "A longo prazo, olhamos para áreas nas quais acreditamos que podemos fazer uma melhoria radical ou mudar os rumos de discussão de um determinado setor. Estamos esperançosos de que, através do OPC, essas companhias se juntem para inovar nossos sistemas de rede".

O Facebook ainda afirma que vai continuar seus trabalhos com a comunidade OCP. A rede social também diz que todos os "operadores de rede, fornecedores de hardware e software defensores do código aberto e equipe do setor de pesquisa" são bem-vindos caso queiram se juntar à companhia em seu projeto para "acelerar a inovação no espaço de hardware de rede".

Leia também:

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.