Especialista alerta sobre softwares de marketing digital no Facebook

Por Redação
Divulgação
Tudo sobre

Facebook

Atualmente, uma 'curtida' no Facebook pode significar muito mais do que apenas um ponto comum favorável entre o usuário e quem fez o post, ou o que foi postado. As empresas estão de olho já faz um tempo, é um termômetro de negócios, de dinheiro. E, para aumentar sua popularidade, muita gente vem utilizando ferramentas que ajudam a capitalizar e segmentar anúncios, entre outras coisas. Para evitar problemas, a especialista no assunto, Camila Porto de Camargo, do iMasters, dá dicas sobre a diferença entre captação ou roubo de dados.

A primeira coisa a fazer é conhecer em profundidade o que o Facebook diz a respeito em seus termos de uso, já que a criação de uma fanpage, por exemplo, está condicionada a um contrato que você aceita, mesmo que a maioria não ligue pra isso. Aí é que é preciso estar atento: se você não cumprir o que está por ali, corre o risco de ser 'punido' por Zuckerberg e sua turma.

Facebook diretrizes

Em seguida, vem o bom senso e a qualidade de sua proposta: desenvolver aplicativos sociais e envolventes, conceder escolhas e controle aos usuários e ajudá-los a compartilhar faz com que sua marca ou produto seja popularizada espontaneamente, antes mesmo do uso de ferramentas para isso.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Outro ponto fundamental apontado por Camila é o respeito à privacidade e ao próprio comportamento ético na web: não usar de má-fé ao se dirigir ao usuário, não enviar spam ou tentar iludí-lo, nem mesmo surpreendê-lo.

Vamos então aos principais pontos sobre a captação e utilização dos dados no Facebook:

1) Todo dado precisa de autorização do usuário antes de ser coletado por aplicativos;

2) No caso da utilização de dados de terceiros que usam seu aplicativo, faz-se necessário o consentimento explícito do usuário com relação à utilização de suas informações. Ou seja, é permitido o manuseio do nome de alguém para um mecanismo de busca somente se houver a liberação do próprio para tal uso;

3) É proibida a transferência direta ou indireta de dados de terceiros para outras plataformas, como usar informações de pessoas para uma rede de anúncios, por exemplo;

4) Uma das táticas utilizadas por muitos softwares atualmente diz respeito aos dados públicos e de perfil estendidos do usuário. O Facebook recomenda, por exemplo, sua própria estrutura no caso do compartilhamento de dados por um identificador anônimo. Essas informações jamais devem ser compartilhadas com um mediador externo;

5) O que o Facebook entende como dados públicos que podem ser utilizados em aplicativos via permissão do usuário são: ID, nome, primeiro_nome, último_nome, link, nome de usuário, sexo, local e idade. Para captar esses dados, basta a aprovação do usuário;

6) Já os dados de perfil estendidos ainda causam certa confusão. Por exemplo, você pode autorizar a utilização de seus dados públicos mas não necessariamente das páginas que curte ou grupos de que participa. Seria necessária uma segunda autorização para que a manipulação específica desses dados não ferisse a liberdade do usuário, porém, isso não acontece na maioria das vezes e precisa ser respeitado;

Facebook diretrizes 3

7) Procure utilizar as ferramentas do próprio Facebook para distribuir o que quer, já que os aplicativos nasceram respeitando as diretrizes de seu próprio ambiente. Softwares externos podem ferir os termos de uso, é preciso conhecê-los bem antes de usá-los;

8) Quando se fala em marketing digital, há sempre o conflito entre o certo e o mais fácil ou rápido. Pesquisar, entender os termos de uso de cada aplicativo ou ambiente e, acima de tudo, respeitar o usuário pode ser um caminho mais longo, mas evita dores-de-cabeça futuras, de ambos os lados.

Em resumo, o que se recomenda é que, antes de pensar nos números, vale conhecer todos os recursos do Facebook para o que você deseja. Com relação a softwares que aumentam "curtidas", por exemplo, o que os especialistas vêm comprovando é que, em médio e longo prazo, eles se tornam ineficazes quando se fala em satisfação e fidelidade do usuário.

Com essas dicas, é possível fazer a propagação de uma marca, produto ou empresa de forma ética e legal, e, acima de tudo, com bom senso.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.