Diretora de design do Facebook explica visual da rede social

Por Redação | 02 de Abril de 2014 às 11h43

As mensagens de repúdio são diárias. Enquanto o novo design do Facebook é aplicado pouco a pouco para os usuários, aqueles que ganham acesso à novidade reclamam – como todas as vezes que uma rede social tem seu visual alterado – sobre como a versão antiga era melhor. Desta vez, porém, a crítica veio de gente graúda e recebeu resposta de alguém com importância semelhante.

Em resposta à publicação de Dustin Curtis, criador da rede de microblogs Svbtle, a diretora de design de produto do Facebook, Julie Zhuo, explicou alguns dos motivos por trás da recente atualização do serviço. Mais do que isso, ela detalha porque o design original, que foi exibido no ano passado e chegou a ser utilizado por algumas pessoas nos Estados Unidos, acabou sendo deixado de lado.

Em uma publicação no próprio Svbtle, Curtis afirma que o Facebook deixou de lado o moderno e elegante design original em prol do aumento das visualizações e impressões de anúncios. Segundo ele, que diz ter ouvido tais informações de algumas pessoas que trabalham na empresa, o visual era tão bom que os usuários estavam passando mais tempo no feed de notícias do que navegando pelo serviço. Tal atitude teria reduido os ganhos com publicidade do Facebook.

Facebook design

Ele ainda elenca as diversas vantagens do primeiro design reformulado. Além de considerado mais bonito, o layout melhorava a experiência por trazer ícones e imagens maiores. Os poucos elementos na tela permitiam o foco naquilo que realmente interessava na mesma medida em que dava mais unidade entre as versões do Facebook para PC e dispositivos móveis.

Mas, devido aos motivos comerciais citados, o visual foi levado de volta à prancheta e modificado para se tornar a versão que muitos estão usando hoje. Duas barras laterais, imagens menores e elementos de navegação, como barra de busca, de atualizações e o link para o próprio perfil, bem maiores. Uma aproximação do design anterior, de forma a causar menos estranhamento. Mas para Curtis, também uma subversão de um ótimo conceito.

Facebook para todos

Em sua resposta, publicada em um blog na plataforma Medium, Zhuo admite que o desenho original da interface foi realmente alterado, mas não com uma preocupação financeira em mente. Segundo ela, o design original continuava sendo uma opção positiva do ponto de vista financeiro e esse aspecto não teve nenhum tipo de influência na mudança.

O que ocasionou a modificação, de acordo com ela, foi o funcionamento do novo layout, que não se dava bem com computadores mais antigos e telas menores, apresentando lentidão e problemas de navegação. Ela conta que, por exemplo, as imagens grandes demais muitas vezes estouravam as laterais das páginas, ao mesmo tempo em que exigiam muitas rolagens para que o usuário visualizasse todo o conteúdo.

Facebook design

Em PCs modernos, isso não é um problema. Mas Zhou aponta que, principalmente em países emergentes, ainda é enorme o uso de máquinas ultrapassadas e netbooks. Ela cita exemplos de computadores tão antigos que usam mouses ainda sem rodas de scroll, o que exigiria muitos cliques para que o usuário chegasse até onde deseja.

O próprio título de seu texto já é uma indicação de que, para o Facebook, importa mais a forma como se interage nele do que o design em si. Em “O que for melhor para as pessoas, é o que faremos”, a diretora de design de produto diz que não importa o perfil da pessoa. Para a rede social, todos são iguais, independente da intimidade que possuem com tecnologia e, sendo assim, importam igualmente enquanto usuários.

A designer conta também que, em testes internos, os participantes mostraram preferência pelo design atual do que pelo anterior, justamente devido às similaridades com as versões anteriores do Facebook. Tal aspecto também importou e, por mais que as imagens gigantes e a limpeza do trabalho original fossem muito queridas por Zhou, ela e sua equipe tiveram de trabalhar para evitar que o ódio se espalhasse pela rede.

Ela lembra de algumas das alterações iniciais no design da plataforma, quando petições online chegaram a ser criadas para que a empresa revisasse as modificações. “Os Facebookers reagem de forma terrível às mudanças”, finaliza ela mencionando uma afirmação que pode ser percebida diariamente no feed de notícias de qualquer um. Mas, ao que parece, o nível de reclamações atual está bastante aceitável para a companhia.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.