85% dos vídeos no Facebook são assistidos sem som

Por Redação | 02 de Junho de 2016 às 08h29

Desde a disponibilização dos vídeos no Facebook, a rede social passou a ser uma forte competidora neste segmento, e agora conta com mais de 8 bilhões de visualizações diárias. No entanto, a qualidade destas visualizações passa a ser questionadas mais uma vez, já que uma grande parte da audiência assiste aos vídeos sem reprodução sonora.

Como já se sabe, os vídeos, no Facebook, são reproduzidos automaticamente no feed de notícias, mas sem a ativação do som, algo que o usuário precisa fazer manualmente ao tocar no vídeo ou no ícone de som do post. No entanto, de acordo com vários editores, 85% das visualizações de vídeo em suas páginas estão acontecendo com o som desligado. A LittleThings, que conta com uma média de 150 milhões de visualizações mensais no Facebook, afirmou que 85% de sua audiência assiste aos vídeos sem ativar o som, número que correspondem ao relatado também pela Mic, que possui uma audiência de 150 milhões de views mensais. A PopSugar disse que suas visualizações de vídeos sem som variam entre 50% e 80%.

Ainda que os números possam parecer bastante negativos para o Facebook, que deseja se colocar como um concorrente do YouTube, os dados não são surpreendentes, visto que a rede social desenvolveu um modelo que não exige que os usuários usem o som para consumirem conteúdo em vídeo. Muitos editores têm optado por incluir legendas ou mensagens em textos nos vídeos para contornar esse problema. Segundo Gretchen Tibbits, executiva da LittleThings, "o vídeo também tem de ser concebido para captar a atenção sem a necessidade de som".

De acordo com um estudo realizado pelo MEC North America, os vídeos institucionais, ou que trabalham a marca das empresas, possuem entre 85% e 90% de reproduções silenciosas, o que não significa que os usuários estão menos engajados. Noah Mallin, chefe de social media da agência, afirmou que a exibição de vídeos sem som neste segmento não afeta a intenção de compra dos espectadores.

Por sua vez, Rye Clifton, diretor da GSD&M, explica que o "som ainda é uma opção [no Facebook], mas não é necessário". "Se você pode fazer algo atraente sem a necessidade de as pessoas utilizarem o áudio, você está à frente de pessoas que não estão pensando dessa forma", afirmou. Para o CEO da SwellShark, Nick Pappas, é importante ser criativo dentro da plataforma, visto que, caso contrário, os investimentos em publicidade no Facebook podem se tornar "um desperdício de dinheiro".

Via Digiday

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.