4 mil pessoas assistiram à live de atentado na Nova Zelândia, diz Facebook

4 mil pessoas assistiram à live de atentado na Nova Zelândia, diz Facebook

Por Felipe Demartini | 19 de Março de 2019 às 10h59
Quartz

De acordo com o Facebook, quatro mil pessoas assistiram à transmissão do primeiro atentado a uma mesquita na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia. Desse total, 200 foram espectadores enquanto o ataque ainda estava ocorrendo, sendo que nenhuma delas fez uma denúncia à rede social. A primeira veio apenas 29 minutos depois, quando o streaming já havia sido finalizado, mas permanecia no ar para ser visto na íntegra.

Ao perceberem o teor das imagens, enquanto a mídia já dava conta do que estava acontecendo na Nova Zelândia, o Facebook disse ter tomado ações rápidas para remover a transmissão original do ar. Isso, entretanto, não impediu a proliferação do material, que foi rehospedado e replicado na rede social 1,5 milhão de vezes apenas nas primeiras 24 horas. O conteúdo também foi removido e, segundo a plataforma, 1,2 milhão de reuploads foram detectados antes mesmo de entrarem no ar.

Ainda seguindo adiante nas medidas, o Facebook afirmou ter banido a conta original do responsável pelo ataque e está monitorando tanto a rede social quanto o Instagram em busca de perfis falsos que sejam feitos em seu nome. Publicações de usuários com links para o vídeo em outras plataformas, versões editadas ou imagens também acabaram sendo removidas, tudo para evitar que as cenas de pessoas morrendo sob as balas do atirados se popularizassem.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A etapa atual é de compartilhamento de informação, com o Facebook estando em contato com ONGs de combate ao terrorismo digital e outros órgãos oficiais para troca de imagens e conhecimento. Enquanto o vídeo original já faz parte dos filtros automatizados do Facebook, a rede social admite que vídeos filmados da tela ou com edições drásticas podem ser mais difíceis de serem localizados, com cerca de 800 variantes já tendo sido encontradas por aí.

O Facebook não entra nessa seara em seu novo comunicado, mas as denúncias dos usuários são essenciais para a obtenção destas versões alteradas. Da mesma forma que foi uma indicação de um deles a responsável pela localização do vídeo original, algo semelhante vale para outras edições que possam ter passado despercebidas pela moderação automática da rede social.

De acordo com a empresa, em nota emitida durante o final de semana, o compartilhamento de vídeos desse caráter foi proibido não apenas por conta dos termos de uso do Facebook, mas também com forma de colaborar com as investigações e respeitar as famílias das vítimas. A rede social disse continuar vigilante para novas formas de compartilhamento de material e que vai continuar removendo todas as reproduções que localizar.

O atentado na cidade de Christchurch deixou 50 mortos e mais de 20 feridos depois que um homem entrou atirando em duas mesquitas no início da tarde da última sexta, no horário local. O primeiro dos ataques foi transmitido ao vivo pelo Facebook a partir de uma câmera no capacete do assassino. Foi o maior massacre já registrado na história da Nova Zelândia.

Fonte: Facebook

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.