Nova HQ do Capitão América se baseia em problemas políticos atuais

Por Gustavo Rodrigues | 03 de Junho de 2016 às 17h47

Capitão América virou o centro das atenções na última semana por causa de sua nova HQ Captain America: Steve Rogers #1, edição que tem como plot twist o super-herói bandeiroso dizendo "Hail Hidra", frase de respeito à organização criminosa nazista do Universo Marvel. Os fãs odiaram tal revelação, queimaram as edições que compraram e, em casos mais extremos, ameaçaram o roteirista Nick Spencer de morte. Apesar do exagero do público, a história em quadrinhos se baseia em problemas políticos atuais e dá pistas claras sobre o futuro do personagem.

Recentemente, Steve Rogers perdeu os efeitos que o Soro do Supersoldado o dava e envelheceu, assim passando o manto para Sam Wilson, originalmente o Falcão. Após os eventos de Avengers Standoff, o personagem voltou a ser jovem graças aos poderes de Kobik, uma criança onipotente com habilidades do Cubo Cósmico. Assim, Steve saiu da função estrategista que tinha na S.H.I.E.L.D. e voltou ao combate como outro Capitão América.

Captain America: Steve Rogers

Em Captain America: Steve Rogers #1, o personagem precisa combater uma célula terrorista que está no comando de um trem, voltando a usar um escudo triangular, que agora é capaz de derreter metal com sua ponta. Enquanto isso, alguns flashbacks mostram a infância de Steve Rogers, quando seu pai embriagado batia na mulher. A partir daí que os fãs começam a se incomodar com o texto de Nick Spencer.

O roteirista começa a mudar o passado do personagem ao inserir uma agente da Hidra tentando convencer a mãe de Steve a entrar para a organização criminosa. Esse é o truque narrativo criado para induzir o leitor a acreditar que o herói sempre foi um agente secreto durante todos os anos de vigilância. Apesar disso, a edição dá várias dicas que há algo perturbando o personagem, principalmente quando Sharon Carter diz que gostaria de saber o que passa na cabeça do namorado, assim sugerindo que ele possa estar sendo controlado pelos poderes mentais do Caveira Vermelha.

Captain America: Steve Rogers

Apesar do plot twist ter sido o que ganhou destaque na mídia, a edição, com roteiro de Nick Spencer e a bela arte de Jesus Saiz, traz uma boa dinâmica para a nova HQ do Steve Rogers, principalmente quando o contexto político da vida real ganha destaque no discurso do Caveira Vermelha. O vilão fala sobre a atual situação da Europa, que recebe os refugiados do Oriente Médio e são ajudados por alguns países do continente, algo inadmissível para o nazista. Sim, o principal alvo do texto do Caveira são os imigrantes, lembrando facilmente as palavras de Donald Trump.

Teoria sobre o futuro de Steve Rogers

As histórias do Capitão América sempre tiveram contexto com a realidade dos Estados Unidos, seja em sua origem versus Hitler ou quando foi dado como morto, época que o país tinha o maior número de soldados no Oriente Médio. Levando em conta que mais do que nunca o sonho americano não possui um ideal claro, principalmente com a atual disputa entre democratas e republicanos, essa edição, em teoria, reflete tais perspectivas nos dois Capitães.

Sam Wilson protagoniza uma HQ claramente de esquerda, o que faz todo o sentido com o histórico que o personagem possui. Steve Rogers, que deve estar sob o domínio dos poderes mentais do Caveira Vermelha, seria uma visão mais retrograda do país, assim fazendo com que os dois heróis sejam o simbolismo perfeito dos Estados Unidos atualmente.

Captain America: Steve Rogers

Steve Rogers deve voltar ao seu patriotismo típico e ter a revelação de que estava sob os poderes do Caveira Vermelha até o final de 2016, principalmente com a Guerra Civil II sendo publicada ao mesmo tempo. O que preocupa é como Nick Spencer vai alterar o passado do personagem, algo que pode fazer os fãs reagirem ainda pior, mas que apenas a longo prazo poderá ser visto como um bom arco de histórias ou não.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.