Snapchat estaria cobrando quase US$ 1 milhão a anunciantes

Por Redação | 15.01.2015 às 12:49

Uma estratégia de publicidade um tanto inusitada para monetizar o Snapchat parece estar dando bem certo para a plataforma. De acordo com fontes do site Adweek, a empresa estaria cobrando em torno de US$ 750 mil pelos anúncios de validade extremamente restrita, que, assim como as imagens, desaparecem após serem visualizados.

A diferença, aqui, é o alcance e a forma como os comerciais são entregues, o que, para o Snapchat, justifica o alto valor cobrado. As propagandas aparecem em meio às atualizações comuns e são mandadas simultaneamente para centenas de milhares, ou até milhões, de utilizadores da rede social e de acordo com as orientações do anunciante. Vale tudo, desde vídeos até imagens.

A abordagem dada pelo Snapchat para justificar o investimento vai além. Ao vender a plataforma, a empresa faz uma comparação com os comerciais de televisão, que entram em meio à programação tradicional que os espectadores querem ver e, por isso mesmo, atraem a atenção deles.

A ideia parece estar funcionando, já que marcas como Electronic Arts, McDonald’s, Samsung e Universal estão pagando o valor pedido pela empresa. É claro, nem todas podem ter se aproximado da casa dos US$ 750 mil, mas não é como se anunciar no Snapchat fosse barato.

É justamente por isso que muitos especialistas já temem pela sustentabilidade da iniciativa no longo prazo, principalmente por ser um tanto quanto difícil inferir exatamente quais foram os seus efeitos. Claro, dá para saber quantos usuários foram atingidos pela plataforma, mas nada mais do que isso. Métricas como a porcentagem de usuários que viram os anúncios até o final não existem e a utilização mais “quente” do app, usado também para troca de imagens e vídeos de cunho sexual, também pode não ajudar muito.

Mesmo assim, o Snapchat não parece disposto a adotar mecânicas diferentes tão cedo. A empresa não se pronunciou sobre a reportagem, mas as fontes ouvidas afirmam que ela é uma companhia “de princípios”, algo que ficou provado quando recusou uma oferta bilionária de compra pelo Facebook, algo que, de acordo com informações internas, teria mexido pessoalmente com o CEO Mark Zuckerbeg.

Por esse motivo, o Snapchat é bastante resistente em negociar valores ou a maneira com a qual lidam com os anúncios na rede social. Para os especialistas, essa é uma briga que deve ficar acirrada no momento em que as empresas decidirem não gastar quase US$ 1 milhão com um anúncio que dura pouco mais do que alguns segundos. Resta saber, entretanto, quando esse momento vai chegar e quanto a empresa vai lucrar até lá.