Dicas para comprar no Paraguai

Por Redação | 13 de Abril de 2017 às 13h00

Muita gente acredita que Paraguai é sinônimo de contrabando ou pirataria. Mas, apesar do caos, dá sim para encontrar produto original e com preço legal no país. Não acredita? Pois o Canaltech foi até Ciudad Del Este para trazer algumas dicas de como fazer isso.

Fundada na década de 50, Ciudad Del Este é hoje a segunda maior cidade do Paraguai, atrás apenas da capital Assunção. Colada às margens do Rio Paraná, a cidade faz fronteira com a brasileira Foz do Iguaçu, ambas conectadas pela famosa Ponte da Amizade – que desde sua inauguração, em 1965, tem estimulado a ida e vinda de pessoas e mercadorias entre os dois países.

Do lado de lá da ponte, no entanto, o Paraguai acabou desenvolvendo a reputação de o destino dos sacoleiros, que buscavam produtos originais ou pirateados no país vizinho para fugir dos altos impostos brasileiros e lucrar com a diferença entre os preços após revendê-los do Brasil.

Em parte, este estereótipo tem alguma verdade, já que até hoje é possível encontrar produtos pirateados nas inúmeras barraquinhas e algumas lojas do centro da Ciudad del Este. Mas a cidade não se resume a isso e também é possível encontrar vendedores legítimos por lá.

“Hoje em Ciudad Del Este você encontra as maiores marcas do mundo com preço e com a certeza de que são produtos originais. Esse mito de que CDE só vende produto falsificado, recondicionado, isso já ficou na história, a gente tem que colocar uma página virada nisso”, explica Jorbel Jackson, CEO da Cellshop.

Como não errar na compra?

E aí vem a primeira dica: se for comprar algo no Paraguai, certifique-se de ONDE comprar antes de chegar lá. Do mesmo jeito que hoje em dia quase todo mundo pesquise preços e lojas antes de sair de casa aqui no Brasil, uma viagem até CDE não pode ser diferente: consultar a internet é essencial para garantir uma boa compra.

Uma vez lá, outra dúvida é como fazer compras: em lojas da cidade é comum ver os preços em Dólar Americano, Reais e até Pesos Argentinos, além, é claro, de Guaranis, a moeda paraguaia.

A dica de quem está acostumado com compras na cidade é usar o dólar em espécie, evitando cartão de crédito para fugir das taxas de compras no exterior que acabam encarecendo o produto comprado por lá.

Quanto você pode economizar?

Mas com o dinheiro na mão: na prática, quanto você economiza no Paraguai? Bem, isso pode variar muito de acordo com produto, loja, sua distância do Paraguai ou até sua capacidade de barganhar. Mas já que fomos até lá, fizemos um exercício para te dar uma ideia.

O produto que escolhemos como referência é o iPhone 7, o top de linha da Apple que já não é a maior novidade do mercado, mas ainda é o sonho de consumo de muita gente. Antes de tudo, vale lembrar: dependendo de quando você estiver vendo esta matéria, os preços podem ter mudado, então cuidado.

No Brasil, a loja oficial da Apple oferece o iPhone 7, de 4,7 polegadas, por preços a partir de R$ 3.499 – o equivalente a versão de 32 GB de armazenamento. É claro, procurando bem online, é possível encontrar valores mais baixos – próximos a R$ 3.000 em muitos varejistas nacionais e até abaixo disso em alguns lugares. Mas vamos tomar o preço da Apple como parâmetro. O iPhone 7 Plus, por sua vez, tem preços a partir de R$ 4.099 na loja brasileira, na versão 32 GB.

Agora voltando à Ciudad del Este. A cidade recebeu em março sua primeira loja Premium Reseller, um representante local autorizado pela Apple e que vende exclusivamente os produtos da empresa. Esse é o mais próximo de uma Apple Store que se pode chegar em um país onde a companhia não tem presença direta.

Nessa loja, encontramos o iPhone 7 de 32 GB por 753 dólares, ou aproximadamente R$ 2.365 em uma conversão nos valores do dólar quando esse vídeo foi fechado. O iPhone 7 Plus de 32 GB, por sua vez, sai aqui por 853 dólares, ou algo em torno de R$ 2.680.

Mas de novo: esse não é o preço mais baixo que você encontrará por lá. A cidade tem outras revendas autorizadas da Apple, que trabalham com outros produtos além dos smartphones da companhia. Nelas, o iPhone 7 de 32 GB pode ser encontrado por 721 dólares – ou R$ 2.307 – e o iPhone 7 Plus por dólares 845, ou R$ 2,704.

Então vamos lá: sem contar uma passagem de avião ou ônibus ou o combustível e pedágios de se ir dirigindo até Foz, o valor até que valeria bastante a pena. Lembre-se também da tributação na fronteira. Se você for às compras em Ciudad del Este, deverá respeitar a cota de US$300 se voltar através da fronteira terrestre ou aeroporto de Foz do Iguaçu ou de US$ 500 se voltar a partir do Aeroporto Internacional Guaraní, na cidade de Minga Guazú, vizinha a Ciudad del Este.

E aí, o que você achou? Vale a pena atravessa a fronteira para trazer alguns eletrônicos para casa?