Apple cria tecnologia que bloqueia celulares e notebooks roubados das lojas

Por Felipe Demartini | 01 de Junho de 2019 às 17h20

A Apple registrou a patente de um sistema de segurança que promete resolver os problemas de furtos de aparelhos em suas lojas oficiais. A tecnologia funciona de maneira semelhante ao Find my iPhone, já existente, e é capaz de detectar quando um smartphone, notebook ou tablet é removido do estabelecimento, impedindo sua ativação e uso, além de enviar dados de localização que podem ser utilizados na busca por suspeitos.

A tecnologia tem múltiplos estágios e funciona com base em um sistema wireless, que cria uma área dentro da qual os aparelhos podem funcionar livremente. Caso eles sejam retirados destes limites, um alerta é enviado a funcionários e gerentes, enquanto um timer pré-configurado é ativado. Caso os dispositivos não voltem à área de segurança antes do fim desse tempo, serão bloqueados de forma indefinida.

Esse travamento pode acontecer de diferentes maneiras, também de acordo com as especificações de cada loja. É possível impedir a ativação de um dispositivo ou travar telas sensíveis ao toque ou os botões do teclado, de forma a bloquear completamente o uso. Enquanto isso, o próprio dispositivo também pode emitir avisos de que está sendo levado para fora de áreas permitidas ou soar alarmes para alertar pessoas e autoridades nas proximidades sobre um possível furto.

Patente da Apple cria área de segurança para circulação de aparelhos, bloqueando aqueles que permanecerem fora dela e emitindo avisos (Imagem: Patently Apple)

A tecnologia também prevê que, uma vez bloqueado, o dispositivo poderia enviar dados de localização de volta para o estabelecimento de origem utilizando redes Wi-Fi públicas ou mensagens de descobrimento por meio do Bluetooth. Enquanto isso, na tela, um usuário poderia ser informado de que aquele é um aparelho furtado, com direito ao endereço da loja na qual ele pode ser devolvido, em um método que também pode coibir a venda desse tipo de material.

A patente foi obtida pela Apple neste final de maio e não traz mais detalhes sobre uma possível utilização também por usuários finais, por exemplo, ou lojistas de fora do circuito oficial da Apple. Da mesma forma, nem mesmo dá para saber se a tecnologia tem previsão de uso, uma vez que, como qualquer documento desse tipo, pode se tratar apenas de uma medida de proteção de tecnologia, seja visando royalties ou apenas evitar sua utilização por terceiros.

Seja como for, o fato é que se trata de uma tentativa da Apple de coibir os furtos cada vez mais constantes em suas lojas. Uma das principais consequências do estilo limpo e aberto dos estabelecimentos oficiais é que, muitas vezes, eles não possuem segurança. Mesmo guardas não poderiam fazer nada contra as gangues de jovens que normalmente estão por trás dos roubos, que atuam de forma sincronizada e possuem diversos elementos que arrancam os dispositivos dos displays de uma só vez, correndo para diferentes direções justamente como forma de despistar eventuais vigilantes.

A Apple, como sempre, não se pronunciou sobre o assunto, nem mesmo para confirmar se essa é uma tecnologia com previsão de aplicação nas lojas oficiais. A companhia, normalmente, mantém o silêncio sobre questões dessa categoria, preferindo anunciar novos recursos em eventos oficiais. E, aqui, como se trata de uma inovação voltada para os próprios estabelecimentos, essa revelação pode nem mesmo ser feita de maneira alguma.

Fonte: Patently Apple

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.