Aplicativo do Alipay pode ser usado para chamar carros do Uber

Por Redação | 03 de Maio de 2016 às 13h15

Em busca de ampliar sua participação na China e ganhar mercado por lá, o Uber está se aliando a um dos maiores players do mercado de internet. Nesta terça-feira (03), a empresa de transportes anunciou uma parceria inédita com a Alibaba para que usuários de seu serviço de pagamento digital, o Alipay, possam utilizar o aplicativo da plataforma para chamar carros.

Apesar de altamente focada na China, a novidade vale para todos os 450 milhões de usuários globais do Alipay em qualquer um dos 69 países onde existe operação do Uber. Agora, não é mais preciso baixar o aplicativo independente do sistema de transporte, e tanto o pedido por carros em qualquer uma das categorias do serviço quanto o pagamento se dá a partir da plataforma chinesa, diretamente pelo celular e sem qualquer necessidade de configuração ou ações adicionais.

O Uber não revelou os termos dessa parceria, afirmando apenas que a comodidade para os passageiros vem com um custo: o Alibaba fica com uma parcela de todas as corridas, um total que é pago pela própria empresa de transportes, e não descontado dos motoristas. Além disso, trata-se da expansão de uma união que já existia há alguns anos, pois desde 2014, os usuários do Alipay já podiam utilizar a solução como um método de pagamento para os trajetos, além do cartão de crédito, o meio convencional na maioria dos países.

Apesar de não falar em números, o vice-presidente sênior de negócios do Uber, Emil Michael, afirmou que poucas parcerias no mundo da tecnologia tem a escala do negócio entre a empresa e o Alibaba. A parceria chama atenção, ainda, pelo fato de mostrar que a empresa não poupa despesas nem se faz de rogada em sua operação na China. Prova disso é que um dos maiores investidores do serviço de transportes no país é o Baidu, justamente, um dos maiores rivais do novo parceiro no mercado asiático. A empresa foi a líder de uma recente rodada de investimentos que levantou US$ 1,2 bilhão para financiar as operações do aplicativo na região e continuar sua expansão.

Entretanto, ainda assim, o Uber tem dificuldades em lidar com seu maior concorrente chinês, o Didi Kuaidi, companhia que nasceu da união das duas maiores cooperativas de táxi da China. Recentemente, inclusive, ela fez um movimento semelhante, se unindo ao Lyft e permitindo que turistas chineses solicitem carros do serviço nos Estados Unidos em seu próprio idioma e a partir do mesmo app utilizado no país de origem. O mesmo já vale há alguns anos, também, em Cingapura.

Fonte: The Wall Street Journal