Polícia começa a ouvir testemunhas de roubo no centro de distribuição de tablets

Por Redação | 19.02.2013 às 10:55

A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Campinas, interior paulista, começou a ouvir nesta segunda-feira (18) as testemunhas do roubo de mercadorias no Centro de Logística Brasil no último sábado (16). As autoridades já ouviram sete funcionários do centro e agora solicitaram as imagens das câmeras da concessionária AutoBan, que administra a rodovia Anhanguera. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Um grupo armado de fuzis e formado por 30 homens, dez caminhões e oito carros invadiu o centro de distribuição, responsável por metade dos celulares, smartphones e tablets que são vendidos no país, após render um dos vigilantes do local enquanto se dirigia para o seu local de trabalho. Eles ainda renderam os seguranças da portaria, usando uniformes e alegando serem da empresa de vigilância, e liberaram a entrada para o resto dos assaltantes.

Funcionários que trabalhavam nos galpões da empresa foram rendidos, alguns ficaram trancados em uma sala enquanto outros foram obrigados a ajudar os assaltantes a carregar os caminhões com as mercadorias. A polícia encontrou uma bituca de cigarro, uma camiseta, uma luva e um algodão com uma mancha de sangue no local e utilizará as pistas para tentar identificar os bandidos por meio de exame de DNA.

A polícia ainda não informou o valor estimado da carga roubada, mas acredita-se que a maioria dos produtos pertencia à multinacional espanhola Celistics, que fica localizada a poucos metros do Centro Logístico Brasil. Além disso, as autoridades, que não revelaram muitos detalhes da investigação, estão tentando buscar informações e relacionar o roubo de equipamentos à apreensão de uma Blazer clonada da Polícia Civil, localizada muito próxima ao local do assalto do último final de semana.