Pedaços de vidro podem armazenar dados por um longo período de tempo

Por Redação | 26 de Setembro de 2012 às 10h30

Apesar de ainda não possuirmos carros voadores, é fato que cada dia os avanços da tecnologia nos deixam mais impressionados. Essa que vamos conhecer agora é particularmente interessante: um caco de vidro de quartzo capaz de armazenar dados por algumas centenas de milhões de anos.

Segundo informações da Scene Report, a empresa responsável pela criação dessa nova tecnologia é a japonesa Hitachi. Além do fato desse pequeno pedaço de vidro ter tamanha capacidade de armazenamento, outro fator que chama a atenção é a sua resistência a condições hostis e temperaturas extremas.

Você pode caminhar tranquilamente - se é que isso é possível - por um deserto escaldante sem se preocupar com a degradação das suas músicas salvas no pequeno caco de vidro. Ele também é resistente a vários produtos químicos e não é afetado por ondas de rádio. Ele pode resistir a até 1000ºC durante, pelo menos, duas horas, sem ser danificado.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Como se isso já não bastasse, ele também é à prova d'água, o que significa que poderia sobreviver a calamidades naturais, tais como incêndios e tsunamis.

Pedaço de vidro

Difícil imaginar tanta resistência em um pequeno pedaço de vidro como esse que vemos na foto, não? Cada folha possui cerca de dois centímetros e apenas dois milímetros de espessura.

Apesar de tudo, essa tecnologia apresentada pela Hitachi não é a maneira mais avançada de se armazenar dados, na verdade ela é uma solução mais inteligente. Cada pedaço de vidro de quartzo é impresso com pontos que representam dados binários. Os pontos podem ser lidos com um microscópio óptico. Agora, os computadores atuais não estão equipados para a compreensão desses dados, mas com certeza não seria difícil programar uma máquina para fazer isso.

Cada caco de vidro, em suas dimensões atuais, pode receber quatro camadas de dados pontilhados, o que representa aproximadamente a capacidade de armazenamento de um CD de música padrão.

A empresa ainda não decidiu quando vai começar a utilizar sua nova invenção, mas os pesquisadores disseram que poderiam começar com serviços de armazenamento para as agências governamentais, museus e organizações religiosas.

E você, o que gostaria de deixar guardado durante algumas centenas de milhões de anos?

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.