Multilaser M7, um tablet básico e barato que pode satisfazer os estudantes

Por Pedro Cipoli
photo_camera BRUNO HYPÓLITO / CANALTECH

Um tablet básico é capaz de ser útil em inumeras situações, em especial para estudantes que podem ter o material de estudo sempre à disposição. Modelos de 7 polegadas se destacam ainda mais por serem pequenos o suficiente para caber em qualquer espaço na mochila, até mesmo no bolso da calça. Considerando que um tablet razoável hoje dificilmente sai por menos de R$ 1000, o Multilaser M7 que vamos conhecer hoje passa a ser interessante para quem não quer investir muito, mas precisa de funções básicas para o dia-a-dia.

O M7 se parece muito com o M-Pro 3G em uma série de quesitos, como por exemplo a baixa definição da tela. Porém, curiosamente ela ligeiramente superior, mantendo a resolução de 480x800 (480x764, para ser mais preciso), mas trazendo uma qualidade de cores um pouco melhor. Isso é bem estranho, pois o M7 custa a metade do preço do M-Pro, e mesmo assim traz vários itens que são superiores ao do modelo mais caro.

Outro ponto que nos chamou a atenção é a maior autonomia de bateria. No caso do M-Pro 3G tivemos que o carregar pelo menos uma vez a cada dois dias, quando não todos os dias, bem inferior aos quase 7 dias de uso que conseguimos com o M7. Isso significa que, ao contrário do M-Pro, podemos deixar o M7 em modo de espera sem nos preocuparmos se vamos ter carga o suficiente quando o ligarmos novamente.

A configuração não é das melhores: processador single-core de 1,2 GHz e 512 MB de memória RAM, o suficiente para ter uma experência básica com o Android Jelly Bean 4.1. Não podemos dizer que ele é rápido, mas também não chega a ser insuportavelmente lento, algo que a completa ausência de programas pré-instalados, o que diminui a necessidade de uma configuração melhor.

A Multilaser acertou na escolha da GPU, uma Mali-400, versão single-core da utilizada no Galaxy S2 e Galaxy S3 da Samsung. Com ela é possível rodar sem problemas vídeos em alta definição do YouTube e Netflix, assim como rodar algum game mais básico, como Angry Birds Star Wars. Embora a qualidade da tela seja algo que estrague um pouco a experiência de uso, isso chega a ser perdoável pelo preço razoavelmente baixo cobrado pelo M7.

Os 4 GB de memória interna, dois quais 2 GB ficam disponíveis para o usuário, é algo esperado em um modelo de entrada, sendo possível expandir o armazenamento com um cartão micro SD de até 32 GB. Nas laterais o M7 possui uma entrada micro USB para carregamento e dados (carregador destacável incluso), entrada de fone de ouvido (com um modelo bem básico incluso), botão Power e controle de volume. Na embalagem temos também um adaptador micro USB para USB fêmea, para quem pretende conectar um pendrive.

O alto falante localizado na parte de trás é bem decepcionante, assim como o microfone embutido. Para quem pretende utilizar o M7 para Skype, Hangouts ou qualquer outro VoIP, é bom considerar um fone de ouvido à parte, pois nesses dois pontos o M7 se mostra bem ruim. Não há uma câmera traseira, somente uma frontal de 0,3 megapixels com qualidade VGA. É mais fácil pensar que o M7 não possui câmera nenhuma, já que as imagens são bem ruins (já teve um Motorola Razr V3? É basicamente a mesma coisa).

Voltando ao ponto inicial, onde dissemos que um modelo relativamente barato com 7 polegadas é uma ferramenta poderosa para estudantes, podemos dizer que o M7 atende a essas expectativas. Com 1 centímetro de espessura e pesando cerca de 340 gramas, ele cabe em praticamente quaquer lugar, oferecendo um mínimo de desempenho para ler textos, assistir vídeos e navegar na web.

Conclusão

O Multilaser M7 possui um preço sugerido de RS 399, valor que pode chegar a R$ 300 em algumas lojas para o pagamento à vista. Vale a pena? Depende. Não há iPads e Galaxy Tabs na faixa sub-R$ 400, de forma que não há muito o que comparar. A ficha técnica do M7 é ligeiramente superior ao Galaxy Tab original de 7 polegadas, com exceção da tela, atendedo ao usuário básico que procura um modelo barato e está disposto a abrir mão de alguns recursos para economizar.

Não há GPS, 3G embutido, uma bateria de capacidade maior nem configurações muito impressionantes, já que não existe mágica em tecnologia. Pagar barato é abrir mão de recursos. Mesmo assim, a Multilaser poderia ter equipado o M7 com uma tela melhor de pelo menos 1024x600, mesmo que para isso ele custasse um pouco mais caro, pois a tela é um dos principais recursos que nos faz gostar de um tablet ou não.

Vantagens

  • Preço bastante acessível
  • Design até bom, considerando a faixa de preços
  • Configuração capaz de fornecer uma experiência básica em games e vídeos

Desvantagens

  • Tela de baixíssima resolução
  • A autonomia de bateria, embora maior do que a do Multilaser 3G, ainda decepciona
  • Ausência de recursos importantes, como GPS
  • Câmera inutilizável para a maioria das situações e auto-falantes de baixa definição