Mobilidade nas empresas: uma oportunidade ou um problema?

Por Colaborador externo | 26.08.2014 às 08:00
photo_camera Divulgação

Por Alexandre Conde*

Em 2011 o país registrou um crescimento rápido, o que incentivou muitas empresas atuando aqui a investirem. No entanto, este cenário mudou e agora apresenta diferentes estratégias, consumidores e perspectivas de negócio. No setor de TI, ficou evidente que os revendedores que acrescentaram mais serviços com soluções móveis aos seus portfólios foram os únicos que conseguiram agregar valor e se destacar no competitivo mercado brasileiro.

Existe um ditado que diz que onde há mistério, há margem. Infelizmente, no caso dos revendedores muito desse mistério perdeu-se com tecnologias tais como as redes sem fio e a comunicação móvel. O motivo por trás disso é a comoditização e a consumerização dessas tecnologias no mundo todo, e aqui no Brasil não foi diferente. O resultado natural dessa tendência é lucros menores (margem) e até mesmo a implementação de soluções próprias pelo usuário final, o que acaba por tirar as oportunidades das mãos dos revendedores.

Será que isso realmente significa o fim desse mercado? Na verdade, não. O revendedor deve responder a essa nova perspectiva trazendo de volta complexidade (aqui está o mistério de novo) às suas soluções. Embora soe contraintuitivo, isto é vital para que os revendedores brasileiros continuem sendo uma peça viável nesse canal de tecnologia. As redes sem fio são muito vulneráveis a violações de segurança, e por isso deveriam estar exclusivamente nas mãos dos revendedores. Isto gera um buraco no setor que possibilitaria aos profissionais gerenciar as inseguranças dos usuários finais e das empresas.

Afinal, quem consegue viver sem mobilidade hoje em dia? Esta grande tendência mundial prevalece nos espaços de coleta de dados para todos os tipos de trabalhadores. Hoje em dia, seja para trabalhadores de campo quanto para profissionais, a comunicação de voz e de dados longe da escrivaninha ou do escritório é vital. As empresas brasileiras precisam reagir a essa tendência, já que os funcionários querem que os seus dispositivos pessoais sejam inseridos na rede corporativa. A inclusão de dispositivos móveis no ambiente de trabalho, assim como o gerenciamento, segurança e armazenamento de dados dos mesmos apresentam oportunidades excepcionais para que os revendedores ofereçam serviços valiosos aos seus usuários finais.

Em suma, a mobilidade proporciona aos revendedores excelentes soluções para agregar novos tipos de serviço de suporte ao usuário final. O gerenciamento de dispositivos móveis é uma progressão natural para os revendedores, na medida em que serviços gerenciados estão se tornando o padrão vigente dentro do suporte à infraestrutura de TI nas empresas. Mudanças trazem oportunidades e os brasileiros sabem fazer limonada com poucos limões. A nossa equipe da ScanSource no Brasil é prova disso.

*Alexandre Conde é presidente da ScanSource no Brasil.