Intel planeja criar cabos USB mais potentes e capazes de alimentar até mesmo PCs

Por Redação | 17.09.2012 às 17:08

Os cabos USB já fazem parte do nosso cotidiano e os usamos para recarregar a bateria de celulares, transferir arquivos, entre outras funções. A Intel e seus parceiros planejam a criação de cabos USB mais potentes e capazes de alimentar computadores e notebooks.

Com uma nova tecnologia chamada Power Delivery, os cabos USB poderão ter até 100W de potência, o que é suficiente para manter um notebook funcionando. "Um cabo USB faz tudo", afirmaram Brad Saunders e Bob Dunstan, arquitetos da Intel.

Intel USB PD

Os usuários poderão alimentar seus notebooks e periféricos com apenas uma conexão USB

Para se ter uma ideia, o USB 2.0 é capaz de transportar 2,5W de potência e o USB 3.0, que ainda está iniciando sua trajetória no mercado da tecnologia, transporta até 4,5W. Segundo o CNET, atualmente, a tecnologia USB também possui uma variação de carga de bateria, o USB BC, que pode suportar até 7,5W de potência.

Já a nova versão, o USB PD, tem capacidade de transportar até 10W para dispositivos móveis, 18W para tablets e outros periféricos, 36W para notebooks finos, 60W para notebooks maiores e até 100W para estações de trabalho.

Parceiros da Intel já vêm estudando o USB PD há meses e, somente em julho deste ano, o Fórum de Implementadores de USB, um consórcio que supervisiona o padrão, concluiu a regulamentação do novo formato. O consórcio, composto por empresas como HP, Intel, Microsoft, Renesas Electronics, ST-Ericsson e Texas Instruments, espera que os primeiros dispositivos USB PD estejam no mercado até o final deste ano.

Intel USB PD

Se o novo padrão obtiver sucesso entre as companhias produtoras de hardware, muitos dispositivos passarão a utilizar o USB e poderão extrair energia dos cabos conectados diretamente a tomadas via USB também. Com isso, os sistemas de recarga de bateria poderão ser mais simples e não precisarão de chips desenvolvidos para que a comunicação USB funcione.

"Isso permite que os carregadores de bateria se tornem mais universais, suportando a alta demanda por energia de aparelhos como tablets, notebooks e outros dispositivos orientados para consumir bateria", afirmou a dupla de arquitetos da Intel.

Além disso, os membros do consórcio também ampliaram as funções e possibilidades dos cabos USB mais potentes, definindo novas categorias para os dispositivos móveis que utilizam a tecnologia.