Infecções de malware em dispositivos móveis aumentam 614% em um ano

Por Redação | 26 de Junho de 2013 às 13h36

A quantidade de ameaças para dispositivos móveis está maior do que nunca e o sistema operacional predileto dos atacantes é o Android, que recebe 92% de todas as ameaças detectadas. As informações são de um novo estudo da Juniper Networks.

O terceiro 'Relatório de Ameaças Móveis' da empresa foi divulgado na última terça-feira (25), e os resultados não são nada animadores. A taxa de malwares móveis cresceu 614% entre março de 2012 e março de 2013. Isso representa 276.259 aplicativos maliciosos soltos por aí. No ano passado, o aumento foi de "apenas" 155%.

O relatório é baseado em uma análise de mais de 1 milhão de aplicativos móveis e vulnerabilidades dos principais sistemas operacionais móveis disponíveis no mercado. Com esses softwares sendo explorados em um ritmo crescente, a Juniper ressalta que os criminosos estão cada vez mais empreendedores e calculistas.

Em todo o mundo, o Android domina quase 60% do mercado de dispositivos móveis, enquanto a Apple fica com pouco mais de 19% e a Microsoft e seu Windows Phone ficam com 18%, de acordo com dados divulgados pela Canalys. Segundo a Juniper, 92% de todos os malwares móveis detectados são focados especificamente em aparelhos Android.

Uma das principais razões pelas quais os criminosos optam por infectar dispositivos com sistema operacional do Google é que a maioria dos usuários do Android não atualiza seus gadgets com a versão mais recente do software. No último mês, por exemplo, apenas 4% dos usuários de Android estavam executando o sistema operacional em sua versão mais recente. Como os usuários permanecem em versões mais antigas, eles perdem as novas atualizações de segurança fornecidas pelo Google.

Malware móvel

Imagem: Juniper Networks

Mas isso não quer dizer que os demais sistemas móveis estejam livres de malwares. "Exploits teóricos para iOS têm sido encontrados, bem como métodos para esconder aplicativos maliciosos na App Store. Mas os criminosos virtuais têm, em geral, evitado produtos da Apple em favor dos pastos mais verdes oferecidos pelo Google Android", diz o relatório da Juniper. "Isso não quer dizer que o iOS é mais seguro do que o Android".

Tipos de ataque

A maioria dos ataques de malware acontece por meio de trojans enviados via SMS, que enganam os usuários e os fazem enviar mensagens de texto para números criados pelos cibercriminosos. Esse tipo de trojan via SMS corresponde a 48% dos ataques, enquanto 29% são feitos pela instalação de aplicativos infectados e 19% via spywares.

Entre os aplicativos da Google Play mais copiados pelos cibercriminosos estão Skype, Adobe Flash e Angry Birds. Recentemente, até mesmo um 'Bad Piggies' mal-intencionado foi encontrado, disfarçado como o popular game de mesmo nome.

Como se proteger

Para diminuir o risco de infecção, os usuários de dispositivos móveis devem:

  • Evitar a compra de aplicativos em lojas de terceiros;
  • Manter o sistema operacional móvel sempre com a versão mais atual;
  • Não permitir que aplicativos acessem informações privadas e pessoais armazenadas em seus dispositivos.

"Nós antecipamos que, semelhante à evolução das ameaças baseadas em PCs, os ataques móveis vão continuar aumentando e se tornando mais sofisticados nos próximos anos", alerta a Juniper.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.