HP Elitebook Folio 1040 G1: um Ultrabook corporativo a prova de futuro

Por Pedro Cipoli
photo_camera BRUNO HYPOLITO / CANALTECH

Notebooks e Ultrabooks empresariais são um pouco diferentes dos modelos comuns por vários motivos. Entre os principais podemos citar a construção, que utiliza materiais de maior qualidade e um design geral mais sóbrio. Há também a configuração, otimizada para tarefas de produtividade e não tanto focada em gráficos, inclusive contando com componentes internos de maior qualidade (capacitores, reguladores de tensão, etc).

A lista de diferenças vai longe (“E não é só isso!”, como diria a Polishop), que acaba aumentando bastante o preço final, e muitos usuários acabam não vendo estes exemplares como uma boa opção ao compará-los com modelos convencionais de configuração similar. A verdade é que eles possuem um ciclo de operação muito maior, já que demoram vários anos para ficarem lentos e raramente apresentam falhas.

Como jornalistas, muitas vezes temos que trabalhar em salas de imprensa com computadores de empresas, modelos de vários anos atrás, que continuam funcionando muito bem mesmo com processador Core 2 Duo e até mesmo Pentium. Isso acontece graças ao seu projeto original de serem modelos que sobrevivem ao tempo, que são deixados de lado não por problemas, mas sim por não suportarem mais os recursos atuais.

Vamos conhecer agora o HP EliteBook Folio 1040 G1, um Ultrabook que tem todas essas características e algumas poucas falhas aqui e ali.

Ultrafino, ultraleve e com tela Full HD

Considerar um notebook bonito ou feio é uma questão um pouco subjetiva, mas este é um ponto difícil de não se gostar no Folio 1040. Com exceção da parte de baixo, que utiliza uma tampa removível na cor preta, todo o resto é de alumínio, em um conjunto de alto nível. Ele conta com somente 1,59 cm de largura na região da dobradiça, pesando 1,49 kg, dificilmente não cabendo na mochila ou causando desconforto.

A tela tem 14 polegadas e resolução Full HD, excelente para se trabalhar com vários programas abertos ao mesmo tempo. As taxas de contraste são muito boas e a reprodução de cores nos pareceu ideal, sem saturação demais ou com cores abafadas. Infelizmente ela não vem com IPS, o que não significa que os ângulos de visão sejam limitados, mas seria uma boa pedida, considerando o preço do modelo.

Teclado e touchpad

O modelo que recebemos veio com o Windows 7, mas trazia uma etiqueta na parte de baixo com o logo do Windows 8*. Talvez isso explique o mal funcionamento do touchpad, que tinha tudo para ser um dos melhores que há por aí, com bom tamanho e superfície de vidro, mas que se comportou de forma estranha durante o uso, não suportando atalhos, duplo clique e nem rolamento, mesmo depois de tentarmos configurá-lo pelo painel de controle do Windows.

*Aliás, enfrentamos uma série de pequenos problemas, como o mal funcionamento das teclas de atalho (como o controle de brilho, por exemplo) e um comportamento estranho ao voltar do modo de espera. A impressão que tivemos foi que ele veio com o Windows 8/8.1, mas alguém formatou, colocou o Windows 7 e esqueceu de instalar os drivers corretamente

Já o teclado é excelente. As teclas são devidamente espaçadas, retroiluminadas e um pouco mais rasas do que gostaríamos, mas ele possui uma sensibilidade ao toque ideal para quem digita rápido. Gostamos da decisão da HP de posicionar o Mute e o botão de desligar a rede Wi-Fi no canto superior direito da região do teclado, eliminando a necessidade de usar atalhos “Fn” + “F1-12” para ambos.

Processamento de sobra para um bom tempo

A configuração que testamos vem com um processador Intel Core i7-4600U, 8 GB de memória RAM DDR3L e gráficos Intel HD 4400 (dois núcleos e quatro threads rodando a 2,1 Ghz – Turbo Boost até 3,3 Ghz e 4 MB de cache L3). Essa configuração se comportou de forma muito boa em nossos testes, trazendo tecnologias que não estão presentes em notebooks vendidos diretamente ao consumidor e que vale a pena mencionar:

  • Intel vPro: conjunto de tecnologias voltadas para segurança de TI via hardware;
  • Intel TSX-NI (Transactional Synchronization Extensions New Instructions): conjunto de instruções desenvolvidas para otimizar o paralelismo de tarefas do processador, melhorando o gerenciamento de núcleos (no caso, somente 2) para aumentar o desempenho e ao mesmo tempo poupar a bateria.
Benchmarks - HP EliteBook Folio 1040 G1

Entre outras, como a já conhecida tecnologia de virtualização, só que melhorada (VT-x com Extended Page Tables), Trusted Execution Technology (permite rodar um programa isolado do resto da máquina, para segurança). Porém, ainda que seja uma configuração forte e capaz de lidar com a maioria das tarefas (com exceção dos gráficos, que são bastante básicos), isso não explica a inicialização e abertura de programas quase instantâneas do Folio 1040.

Benchmarks - HP EliteBook Folio 1040 G1

Velocidades de leitura de arquivos superiores a 500 MB/s em alguns casos

Com alguns testes adicionais, vimos que o SSD da Sandisk de 256 GB faz boa parte do trabalho de deixá-lo estupidamente rápido, não só por conseguir alcançar velocidades de transferência contínua de mais de 500 MB/s, mas também pelo baixíssimo tempo de acesso e boa velocidade de escrita/leitura randômica, típicos de SSDs de alto desempenho vendidos separadamente ao consumidor.

Benchmarks - HP EliteBook Folio 1040 G1

Destaque para o excelente resultado em acesso aleatório, tanto de escrita como leitura, o que explica a boa velocidade de carregamento de programas e até para lidar com o sistema

Sistema de Som DTS+, mas que deixou a desejar

A ficha técnica do Folio 1040 diz que ele tem um sistema de som certificado pela DTS, chamando-o de DTS Sound+, então das duas uma: ou isso nos fez aumentar demais as nossas expectativas ou há algo de errado. Sistemas DTS se destacam dos Dolby Digital por fazer mais uso de graves, e isso definitivamente não acontece aqui, em especial por não contar com um subwoofer como acontece com o Vostro 5470 da Dell.

Outro ponto é que o som é sim bastante fiel, reproduzindo todas as frequências sem distorções perceptivas, mas é consideravelmente baixo mesmo para um notebook. Ao utilizamos fones de ouvido a situação muda, com um poderoso driver capaz de dar vida mesmo em headphones mais parrudos, que trazem uma impedância maior do que modelos comuns.

Bateria para o dia inteiro

Alguns fabricantes anunciam a autonomia de bateria de seus modelos baseados em testes que não fazem sentido. Alguns deles anunciam “5 horas de uso em modo de leitura”, ou seja, ele dura tudo isso, desde que você não o use. A HP promete até 9 horas e 45 minutos para o Folio 1040, valor que não conseguimos nem chegar perto em nossos testes, mas que nem por isso deixa de ser uma opção interessante.

Quando medimos a autonomia de um aparelho (seja ele um Ultrabook, smartphone ou qualquer outra coisa), emulamos o uso comum do dia a dia. Por exemplo, estamos escrevendo este artigo no Folio 1040, navegando na internet, vendo um vídeo no YouTube aqui e ali, e conseguimos uma média de 7 horas e 40 minutos de uso, um bom número, já que utilizamos o brilho da tela em 50% e a iluminação do teclado ativa.

Com o brilho no mínimo, teclas sem luz e utilizando-o de forma offline, conseguimos aproximadamente 9 horas de uso, mas este é um cenário que dificilmente veremos na prática (talvez durante uma viagem de avião, quem sabe).

Conectividade e bloatwares

A versão básica do Folio 1040 vem com Wi-Fi dual-band nos padrões A, B, G e N e Bluetooth 4.0, sendo possível adquirir uma versão com suporte 3G ou 4G na loja da HP. As conexões físicas dele incluem entrada para cartões microSD (sim, micro), uma saída DisplayPort 1.2, combo P3 para fones de ouvido com microfone, duas portas USB 3.0, uma conexão proprietária para dock e trava Kensington.

Sentimos bastante falta de pelo menos uma saída HDMI, já que ainda são raros os monitores com entrada DisplayPort – bastante comum em monitores mais avançados, mas que limita as possibilidade de conectar o Folio 1040 em uma tela maior. O mesmo acontece com o cabo de internet, que obriga o usuário a adquirir um adaptador USB-Ethernet separadamente.

Vale mencionar que há uma boa quantidade de Bloatwares, algo que não estamos acostumados a ver em modelos corporativos. A lista é longa, e bem que a HP poderia criar um programa só para gerenciar todos os extras de segurança dele. Mas não, temos o HP Client Security Suite, HP Trust Circles Standard, HP Device Access Manager com Just in Time Authentication, Absolute Data Protect... acredite, a lista é bem longa.

Conclusão: um Ultrabook (e um belo investimento) para anos de uso confortável

O preço do Folio 1040 G1 assusta, com um valor inicial de R$ 6.500 para a versão com processador Intel Core i5-4200U e 4 GB de memória RAM. Vale a pena? Como dissemos, ele é voltado para usuários corporativos que compram uma máquina para utilizar durante vários anos, e estas máquinas raramente apresentam problemas, então, para esses usuários, vale sim.

Porém, não podemos deixar de mencionar o superfaturamento de modelos corporativos aqui no Brasil, já que ainda é um ramo com baixa procura por aqui. A conversão de preços desses modelos, incluindo o Folio 1040, só tem semelhança com os Macbooks Pro Retina da Apple, custando mais de duas vezes mais caro do que no mercado norte-americano, já incluindo conversão do dólar e impostos.

Se você pode conviver com esse fato e está disposto a gastar uma grana a mais em um modelo que durará no mínimo vários anos (quer dizer, a não ser que caia no chão, ou na água, enfim), ele é uma opção muito boa a se considerar, já que conta com tecnologias de proteção via hardware e extras importantes para quem não pode correr o risco de ter seus dados roubados.

Vantagens

  • Configuração competente, que dificilmente ficará defasada com o tempo;
  • Construção de primeira;
  • Funciona “frio”;
  • Teclado retroiluminado de alta qualidade;
  • Tela Full HD com excelente qualidade de cores;
  • Boa autonomia de bateria.

Contras

  • Mesmo considerando que ele é voltado para o mercado corporativo, seu preço é muito alto;
  • Touchpad excelente, mas tão desconfigurado que se torna contraprodutivo;
  • Alguns bugs aqui e ali, como a ausência de alguns drivers. Sinceramente esperamos que este seja um problema de nossa unidade de testes, não do produto em geral;
  • Som de qualidade, porém baixo e sem graves.
Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.