Facebook e YouTube são responsáveis por 40% de todo o tráfego mobile de dados

Por Redação | 10.12.2014 às 12:34

Se alguém ainda precisava de alguma prova de que as redes sociais e os sites de vídeo dominam a internet móvel, ela veio em uma pesquisa encomendada pelo Business Insider ao pessoal da Sandvine. A empresa analisou todo o tráfego online de dispositivos móveis realizado em setembro de 2014 e concluiu que Facebook e YouTube concentram quase 40% de todo o movimento, sendo, de longe, os domínios mais acessados.

A rede social de Mark Zuckerberg vem em primeiro lugar, com 19% de todo o tráfego online em dispositivos móveis. O YouTube, porém, está perto, na segunda colocação, com 18%. Os dados explicam o investimento cada vez maior não apenas destes veículos, mas também de boa parte dos grandes players da internet, em publicidade móvel, um segmento que vem trazendo cada vez mais usuários e pouco a pouco tirando o espaço da navegação “tradicional”.

Tráfego mobile setembro

É, inclusive, por causa dos anúncios que o Facebook ocupa a primeira colocação com larga vantagem. Na rede social, vídeos de publicidade são executados automaticamente, mesmo na versão mobile, o que acaba aumentando a quantidade de tráfego movimentado pela rede e, assim, seus números de audiência. O mesmo vale para o YouTube, que poderiam apresentar menos retenção não fossem as propagandas reproduzidas automaticamente. Não é como se os dados fossem artificiais, pois a consultoria acredita que ambos os sites continuariam no topo, só que com uma parcela menor de utilização.

Em terceiro lugar, com 11% de todo o tráfego, está o uso de navegadores. Aqui, temos mais um ponto que as companhias vêm olhando com bastante cuidado. A ideia é retirar o acesso a determinadas plataformas e serviços do browser convencional e oferecer uma experiência mais direta e dedicada a partir de aplicativos próprios. Essa empreitada, claro, acompanha também o já citado esforço de publicidade, já que, com uma audiência retida em seu próprio ambiente, fica mais fácil encontrar parceiros e anunciantes.

Grandes nomes do mundo do entretenimento também aparecem na lista. A Netflix, um dos principais serviços de streaming da atualidade, tem 4% de todo o tráfego online, enquanto o iTunes, da Apple, e a rádio Pandora têm 3% cada um. No campo das redes sociais, o Instagram aparece com 4% e como a única plataforma do tipo a figurar entre os maiores, ao lado de seu controlador, o Facebook.

Vale a pena citar também os 4% de tráfego obtidos pelas plataformas de computação nas nuvens do Google. Aqui, dá para especular que as ferramentas de produtividade e trabalho também estão se tornando importantes no mundo mobile. Esse é um movimento que vem sendo cada vez mais refletido nas empresas, com políticas de BYOD e transferência de infraestrutura para a nuvem.