Esqueça as TVs HD: as fabricantes, agora, se focam no 4K. Entenda a novidade

Por Fernanda Morales | 20.09.2012 às 07:20

Quando nos deparamos com imagens em alta definição ficamos impressionados com a sua qualidade, mas para você a resolução Full HD é o máximo que a tecnologia pode chegar? Televisores e câmeras de vídeo capazes de produzir e transmitir imagens com qualidade quatro vezes superior à HD já estão sendo produzidos.

A resolução 4K, como é conhecida essa qualidade de imagem em altíssima definição, tem seu nome originário da sua resolução horizontal de mais de 4 mil pixels enquanto, a resolução do HD é definida por sua extensão vertical. Para ter uma ideia, atualmente os televisores HD são capazes de reproduzir imagens a uma resolução de 1920x1080 pixels; já os aparelhos 4K reproduzem imagens em até 3840x2160 pixels. Isso significa dizer que cada imagem na resolução 4K é formada por mais de 8 milhões de pontinhos iluminados.

Atualmente, a tecnologia 4K já é utilizada dentro da área cinematográfica, onde é necessária a captação de imagens em altíssima qualidade e a projeção em telas grandes. A Sony, assim como a LG, já estão lançando televisores para os consumidores comuns com essa definição, porém, o alto custo ainda inviabiliza o seu consumo em larga escala.

"Nós podemos comparar quando a gente tinha todo o nosso sinal analógico, que agora está sendo todo transferido para o digital e HD. Nesse processo, todo mundo comprou uma televisão nova, assinou um pacote extra na sua operadora de TV a cabo e teve que trocar o set-top box para que pudesse receber essa nova tecnologia. Nós acreditamos que em até dois, três ou cinco anos ocorra essa mesma transferência de tecnologia do HD para o 4K", afirmou Luis Fabichank, gerente de marketing de Broadcast & Profissional Solutions da Sony Brasil.

TV Sony resolução 4K

Produção de conteúdo em 4K

As câmeras de captação de conteúdo em resolução 4K utilizam um sensor de 35mm - mesma tecnologia utilizada pelas câmeras cinematográficas de filme -, que é capaz de captar imagens em até 8K para, só depois, fazer a conversão em 4K.

Para gravar este tipo de conteúdo, é necessária a utilização de uma memória de 256GB até 1TB, que oferece autonomia de gravação de até uma hora com a resolução 4K. Esta mesma memória ainda permite que os usuários não percam nenhum quadro do conteúdo gravado por falhas técnicas, ou seja, todo o material captado pode ser facilmente corrigido eletronicamente sem perder qualidade.

Além da memória, outros equipamentos são responsáveis pela transmissão do conteúdo para computadores, onde as imagens serão editadas, corrigidas e, só depois, enviadas para a projeção em telas grandes. Para comportarem tamanha resolução, os computadores domésticos precisam ter telas grandes de 80 polegadas ou superior, algo que torna a tecnologia ainda mais cara.

"Hoje, o 4K ainda não possui um padrão de transmissão. Isso porque é uma tecnologia nova, que é usada diretamente pela área de cinematografia", relatou Fabichank sobre as transmissões de eventos e programas televisivos com essa resolução.

O tamanho dos televisores e o seus custos são apenas alguns dos problemas encontrados para a consolidação dessa tecnologia. A produção de conteúdo com a qualidade 4K ainda é muito pequena e a necessidade de uma banda maior para a transmissão de uma grande quantidade de dados também interfere na popularização dessa tecnologia.

"Com a tecnologia HD nós trabalhamos mais ou menos desde 1992, e somente nos últimos três anos o HD se tornou mais víavel para todo mundo, por assim dizer. Então, naquela época, nós tínhamos apenas uma câmera que custava muito caro e que também foi destinada primeiramente para o cinema. Hoje, cem por cento da nossa linha de câmeras é em alta definição, com aparelhos custando de US$ 3 mil a até US$ 100 mil (cerca de R$ 6 mil e R$ 201 mil, respectivamente)", contou o gerente de marketing.

Sony F65

Câmeras com sistema de captação em 4K disponíveis no mercado ainda são poucas e têm um valor altíssimo. Porém, já existem linhas completas de equipamentos mais baratos e populares que utilizam o mesmo sensor de 35mm e que, em um futuro próximo, serão capazes de captar e transmitir com essa resolução.

As empresas de tecnologia, que já visam a produção de aparelhos em 8K, também acreditam que os próximos grandes eventos esportivos possam ser importantes para a consolidação da nova tecnologia. "Esses eventos colocam targets e incentivos para que nós possamos desenvolver esse conteúdo. Então, nós acreditamos que em alguns jogos da Copa do Mundo de 2014, não em sua totalidade, mas em alguns confrontos, a gente possa estar transmitindo com essa qualidade, seja em salas de cinema ou outros meios, para tornar a tecnologia mais popular", confirmou Luis Fabichank.

Mesmo com os lançamentos de televisores e câmeras profissionais com resolução 4K, essa tecnologia ainda deve demorar um bom tempo para chegar até a sala de estar de muitas pessoas ao redor do mundo.