Empresas brasileiras ficam acima da média mundial em investimento mobile

Por Redação | 08.12.2014 às 18:13

As empresas brasileiras continuam com uma forte tendência em investimento mobile, confirmou uma pesquisa realizada pela Accenture. Segundo o estudo, as grandes empresas devem investir mais em mobilidade entre 2014 e 2015 do que a média mundial, acentuando uma percepção de movimentação no mercado interno brasileiro, afirma o site Mobile Time.

Segundo o levantamento, 33% das empresas pretendem investir entre 25% e 50% do seu orçamento em recursos móveis, o que seria referente a mais de US$ 30 milhões por empresa. A média mundial aponta que 24% das empresas pretendem fazer este mesmo percentual de investimento, segundo a mesma pesquisa. No Brasil, o restante das empresas, 67%, pretendem investir entre 1% e 25% na área mobile. Nenhuma das empresas consultadas informou um investimento nulo, o que é relevante para o mercado, e nenhuma declarou investimento acima de 50% na área.

A Accenture ouviu 1.475 executivos em 14 países, sendo 100 deles do Brasil. A pesquisa foi conduzida com foco em empresas de grande porte, em dez segmentos diferentes e tendo como referencial de “recursos móveis” todos os gastos e investimentos com implementação de projetos em mobilidade, considerando desde a consultoria até a compra de aparelhos e contratação de linhas, design e desenvolvimento de apps. A contratação de plataformas móveis também foi incluída em investimentos móveis.

Júlio Ramos, diretor de soluções móveis da Accenture no Brasil, vê com otimismo a situação do Brasil em investimentos na área. “Acho que os executivos brasileiros estão perdendo o medo de investir em mobile. As áreas de negócios e de marketing estão pressionando mais a de TI. Se esta não fizer nada, vão correr atrás de alguma agência que faça. Perceberam que está na hora de jogar sério com mobilidade. Tem que ter plataforma, processos, governança. Começou-se a entender que é um canal tão importante quanto web”, destacou ele.

Mesmo com o cenário positivo para o investimento de mobilidade no Brasil, Ramos destaca que os executivos têm preocupações diferentes daquelas encontradas entre investidores dos países desenvolvidos. Segundo ele, no país ainda é necessário se preocupar com questões como qualidade do sinal, cobertura e até o roubo dos terminais. Este cenário faz com que exista uma preferência por projetos com retornos financeiros mais seguros em vez de um investimento em novidades ou em projetos que envolvam riscos.

O estudo ainda aponta para um cenário onde os potenciais clientes destes serviços de mobilidade consigam ver que os projetos móveis têm benefícios reais e podem ser práticos e aplicáveis à realidade das corporações, sendo possível que eles acompanhem tendências como elevação do desempenho, satisfação do usuário e garantia de segurança.

Fonte: http://www.mobiletime.com.br/31/10/2014/grandes-empresas-brasileiras-vao-investir-mais-em-mobilidade-que-a-media-mundial/396062/news.aspxhttp://convergecom.com.br/tiinside/services/08/12/2014/brasil-investira-mais-em-mobilidade-que-media-mundial/#.VIXE