Alibaba está testando tecnologia de pagamentos por verificação facial

Por Redação | 16.03.2015 às 15:34

Os mesmos problemas encontrados em uma máquna de cartão podem se aplicar também aos pagamentos mobile, com aparelhos que têm dificuldade em reconhecer impressões digitais ou sistemas que não são confiáveis. O Alibaba quer mudar tudo isso, e fazendo uso de um conceito que é familiar para todo mundo. Se depender da empresa, você poderá pagar suas contas usando selfies.

As autofotos são a base de um sistema chamado Smile to Pay, anunciado pela companhia nesta segunda-feira (16), em um evento na Alemanha. Durante uma conferência no CeBIT, uma das principais feitas de tecnologia e cultura digital do mundo, o CEO da gigante chinesa, Jack Ma, categorizou a novidade como “o futuro das tecnologias de meios de pagamentos digitais”. No palco, o executivo utilizou o celular para validar uma compra online.

De acordo com a Alibaba, a novidade ainda está em fase experimental, principalmente no que diz respeito ao armazenamento seguro de dados do usuário. Por isso, representantes da empresa evitaram falar em detalhes sobre o Smile to Pay, afirmando apenas que a tecnologia ainda não tem data de lançamento marcada, nem parceiros a bordo. As informações são do Mashable.

Mas de uma coisa já sabemos: a companhia está disposta a passar longe de métodos tradicionais, que só funcionem em alguns celulares. A ideia é aproveitar a gigantesca base instalada de smartphones no mercado asiático, constituída em sua maioria de dispositivos de pequeno e médio padrão. Boa parte deles não conta com sensores biométricos, mas praticamente todos têm câmeras digitais e acesso à internet móvel. Sendo assim, qualquer um estaria habilitado a utilizar a solução da Alibaba.

Ficam dúvidas quanto à segurança das aplicações. O que impede, por exemplo, de alguém utilizar um vídeo ou imagem de alguém em um celular roubado, para verificar a identidade? Rostos são únicos, claro, mas não tão singulares quanto as impressões digitais ou a íris humana. Quais passos a Alibaba está tomando para tornar o sistema protegido, um requisito essencial para sua popularização? A resposta só teremos nos próximos episódios.