Alemães criam controle de temperatura individual para poltronas de aviões

Por Redação | 21.09.2012 às 13:07

Hoje, A temperatura nos aviões é controlada a partir de uma central - o mesmo para toda a cabine. Mas cientistas alemães apresentaram o primeiro protótipo de controle individual de temperatura durante a ILA Air Show, em Berlim. As informações são do site Gizmag.

Os aviões comerciais circulam a uma altura de aproximadamente 10 mil metros e por isso, suas cabines precisam ser pressurizadas, não apenas para o conforto dos passageiros, mas também para mantê-los vivos. Esse processo de pressurização é feito pelo sangramento do ar comprimido pelos motores a jato, resfriando-o e depois enviando-o para a cabine.

A pressurização da cabine transforma o ambiente interno do avião em algo não muito agradável para os passageiros por ter menos oxigênio do que o normal e também, porque torna o ambiente muitas vezes mais abafado. Devido a falta de umidade, é ideal que haja um ajuste nesse aspecto para garantir mais conforto aos passageiros.

Poltronas com controle de temperatura

Os testes foram realizados com a parte dianteira de um Airbus A310

Especialistas afirmam que a baixa umidade do ar dentro dos aviões é necessária para não comprometer a fuselagem do avião e, atualmente, a única forma encontrada pelas companhias aéreas e pelos passageiros para melhorar as condições do ar é o uso de ventiladores comuns.

Como o ajuste de umidade na cabine inteira não é viável, os cientistas do Fraunhofer Institute for Building Physics (IBP), em parceria com outras nove empresas, estão desenvolvendo uma poltrona para aviões com aquecimento e ventilação individual e um suprimento de ar ajustável.

Os novos assentos utilizam entradas de ar integradas aos braços e encostos das poltronas. Durante o processo de desenvolvimento, os pesquisadores simularam as correntes de ar para as diferentes configurações de cadeiras, além de qual o nível de controle sobre as configurações os passageiros devem ter.

Os testes com o novo sistema de controle de temperatura individual foram realizados com a parte dianteira de um Airbus A310, no interior de um tubo de 30 metros de extensão. Com isso, os cientistas puderam testar o sistema em uma cabine despressurizada a mais de 13 mil metros de altura e com ela pressurizada a 2.100 metros.

Os cinquenta participantes do 'voo' de teste puderam testar o sistema e avaliar quais as definições de temperatura individuais foram as mais agradáveis.

Por enquanto, os cientistas ainda não sabem quando o sistema passará a integrar os novos modelos de aeronaves. E, muito provavelmente, esse recurso deverá estar disponível apenas para os viajantes felizardos da primeira classe.