ASUS Zenbook U500: desempenho, design, engenharia e preço bem acima da média

Por Pedro Cipoli

Vamos começar esse texto considerando três problemas comuns que fabricantes encontram na hora de montar um notebook mais avançado:

  • Notebooks de alto desempenho costumam superaquecer e ter uma péssima autonomia de bateria, em especial os que trazem placas de vídeo dedicada;
  • Modelos mais finos, como Ultrabooks, geralmente não trazem um nível muito alto de performance, já que usam processador ULV (Ultra Low Voltage) e possuem um forte gerenciamento de energia;
  • Quanto mais fino um modelo, mis difícil é torná-lo potente e fazer a sua bateria ter uma boa autonomia.

Os itens acima fazem com que muitos OEMs escolham e deem prioridade para um ponto em detrimento a outro. Por exemplo, máquinas de alto desempenho, como modelos voltados para jogos ou rodar aplicações profissionais, geralmente não trazem uma autonomia de bateria muito boa, já que mais poder de fogo significa menos autonomia. O mesmo acontece do outro lado da balança, com modelos que até passam várias horas fora da tomada, mas sem um nível de performance que agrade aos mais avançados.

Depois dessa conversa toda, temos dados suficientes para ficarmos surpresos com o Zenbook U500 da ASUS, já que ele tem uma performance digna de desktop, visual acima da média em um chassi bastante fino e ainda é capaz de ficar umas boas 6 horas fora da tomada. Claro que a engenharia toda para fazer isso ser possível custa caro (bem caro), caso semelhante aos MacBooks Retina da Apple, mas há um público disposto a pagar por máquinas com essas características, e ainda há poucas opções como o U500 por aí.

Construção e tela

O Zenbook U500 tem o já conhecido design da ASUS utilizado em seus produtos mais avançados, com alumínio em toda a sua construção do tipo monobloco na cor cinza, e tampa de cor mais escura, mas também cinza e com um desenho em alumínio escovado. É difícil encontrar um problema aqui, e ainda que falar que um modelo é "bonito" seja algo subjetivo, acreditamos que poucos não gostarão do estilo do Zenbook U500, que conta com apenas 2 cm de espessura na parte mais grossa e pesa somente 2,16 Kg.

Temos o conjunto de teclado e touchpad com qualidade semelhante ao que vimos no Taichi 31 que analisamos pouco temos atrás aqui no Canaltech, ou seja, um dos melhores disponíveis até então. O teclado é estilo chiclete com retroiluminação nas teclas, estas espaçadas com um tamanho ideal e contando com teclado numérico estendido, afinal, estamos falando de um modelo de 15,6 polegadas. O touchpad é de vidro e tem uma qualidade comparável ao que equipa o Macbook Pro Retina de 15 polegadas, sendo um pouco maior, mas igualmente confortáve e preciso.

A tela conta com resolução Full HD, o que é uma boa pedida para o tamanho do U500, e tem iluminação por LEDs e tecnologia IPS. É uma tela excelente para qualquer tarefa, que perde mesmo somente para os modelos lançados mais recentemente com resoluções quad-HD e 4K. Além disso, ela é sensível ao toque com suporte para até 10 toques simultâneos com excelente precisão, algo que usuários estão pedindo cada vez mais em notebooks, mesmo em modelos mais básicos.

Configuração e desempenho

Performance é um outro ponto difícil de não se gostar no U500:

  • Processador: Intel Core i7-3632QM rodando a 2,2 GHz (4 núcleos e 8 threads, 6 MB de cache L3 e Turbo Boost até 3,2 GHz);
  • Memória RAM: 8 GB DDR3 de 1600 MHz em dois canais;
  • Gráficos integrados: Intel HD 4000;
  • Gráficos dedicados: NVIDIA GeForce GT650M com 2 GB de memória dedicada GDDR5;
  • Armazenamento: RAID 0 de dois SSDs de 256 GB.

Essa é uma das configurações mais "Getting things done" disponíveis para Windows até o momento, sendo muito semelhante ao primeiro MacBook Pro Retina de 15 polegadas, mas um pouco mais atraente devido ao RAID 0 de SSDs. Não há nada que não rode com extrema fluidez com essas especificações, que não são propriamente voltadas para gamers, mas sim indicadas para usuários que trabalham com aplicações pesadas em qualquer lugar com uma "workstation móvel".

Mesmo com tantos Megahertz para queimar, conseguimos alcançar uma autonomia de uso de aproximadamente 6 horas com sua bateria de 8 células, uma marca e tanto se considerarmos a quantidade de componentes beberrões de energia, deixando inclusive uma série de Ultrabooks mais básicos para trás. Porém, ainda está um pouco longe das 8 horas do MacBook Pro Retina de 15 polegadas, provavelmente devido aos sistemas operacionais diferentes.

Acessórios e extras

A ASUS fez uma escolha bastante inteligente em "terceirizar" dois componentes do Zenbook U500, permitindo que ele ficasse mais fino por não ter que dedicar espaço para ambos. Um deles é o drive de CD/DVD externo, que usaria uma boa parte do espaço que foi utilizado para a bateria, e, mesmo porque, atualmente são poucos os que usam esse tipo de mídia, e quando o fazem é de uma forma ocasional, ou seja, é ótimo que ele não esteja dentro do notebook.

Há um segundo acessório que é mais um extra bem vindo do que um acessório propriamente dito: um mini subwoofer. Notebooks em geral (Ultrabooks mais ainda, por sinal) penam para reproduzir um som de qualidade devido às limitações físicas de espaço, já que som de qualidade precisa de um espaço mínimo para trabalhar. O subwoofer precisa de ainda mais espaço, já que lida somente com graves, e essa foi uma decisão bem acertada da ASUS, já que o resultado final das caixas de som localizadas nas laterais com o subwoofer conectado é surpreendentemente bom, o que elimina a necessidade de caixas externas, além de trazer o sistema de som Bang & Olufsen ICEpower, um dos melhores mesmo comparado a modelos mais avançados.

Como extras temos o Wi-Fi dual-band nos padrões A, G e N, Bluetooth 4.0 e uma webcam que filma em HD com uma qualidade muito boa. As conexões incluem uma porta HDMI, uma saída mini VGA (adaptador incluso, 3 portas USB 3.0, conexão P3 para fones de ouvido com microfone, conexão ethernet e leitor de cartões SD).

Conclusão

Como você deve ter reparado, citamos uma série de qualidades do Zenbook U500 e apenas um ou dois "defeitos", e realmente estamos diante de uma das melhores máquinas lançadas até o momento. É claro que esse nível de engenharia tem um preço, que encontramos por uma média de R$ 8.000, e sinceramente acreditamos que ele está de acordo com os recursos oferecidos e a performance final que ele mostrou, afinal, de jogos um pouco mais modernos até programas profissionais, como editores de vídeo e CADs, é difícil encontrar algo que não rode bem nele.

Isso não faz dele mais barato, mas ele tem uma relação custo-benefício interessante. A diferença é que os números dessa relação (recursos e preço) são bem maiores do que a maioria.

Vantagens

  • Engenharia de ponta e performance de sobra;
  • Tela de alta qualidade sensível ao toque;
  • Teclado e touchpad superiores;
  • Sistema de som (incluindo o subwoofer) de alta qualidade.

Desvantagens

  • Preço muito, mas muito alto;
  • Se segurasse mais 2 ou 3 horas fora da tomada, teríamos um modelo com Windows sendo um sério concorrente do Macbook Pro Retina de 15 polegadas.
Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.